Legado Puritano
Quando a Piedade Tinha o Poder
Áudios
Deus Requer Santificação aos Cristãos 25
Data: 14/12/2021
Créditos:
Texto: Silvio Dutra
Voz: Silvio Dutra

 

 

 

 

 

 

 

“Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes.” [Tg 1: 2-4]

 

“Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado. Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.” [Rm 5: 1-6]

 

Pode haver algumas tentações desconcertantes, que sobrevêm à mente de um crente, ou alguma corrupção pode tirar vantagem para se libertar por um período (talvez por uma longa temporada), o que pode irritar muito a alma com suas sugestões,  portanto incomodam, perturbam e inquietam tanto, que não são capazes de fazer um julgamento correto sobre sua graça e progresso em santidade.

Um navio pode ser tão jogado em uma tempestade no mar, que os marinheiros mais habilidosos podem não ser capazes de discernir se estão fazendo algum progresso em seu curso e viagem, mesmo enquanto agem com sucesso e rapidez.

Da mesma forma, a graça em seu exercício está envolvida principalmente, na oposição a seu inimigo com o qual está em conflito; então de outras maneiras seu sucesso não é discernível.

Se fosse perguntado como podemos discernir, quando a graça é exercida, e prospera em oposição a corrupções e tentações, eu diria que tão grandes ventos e tempestades, às vezes contribuem para a frutificação das árvores e plantas, então corrupções e tentações contribuem para a fecundidade da graça e santidade.

 

O vento bate violentamente na árvore, agita seus galhos, talvez quebre alguns deles, arranque seus botões, afrouxe e sacuda suas raízes, e ameace jogar a árvore inteira no chão, mas por isso a terra é aberta e solta em torno dela, e assim a árvore finca suas raízes mais profundamente na terra, pela qual recebe alimento mais e mais fresco - isso a torna frutífera, embora talvez não dê fruto visivelmente, até que passe um bom tempo.

Nos momentos de tentações e corrupções, a alma é desordenada tristemente; suas folhas estão muito danificadas, e o início da produção de frutos é muito interrompido e retardado, no entanto secreta e invisivelmente espalha suas raízes de humildade e luto, em um trabalho oculto e contínuo de fé e amor, depois dessa graça.

 

A santidade realmente aumenta com isso, e um caminho é feito para uma futura fecundidade visível, porque Deus, em Sua infinita sabedoria, administra a nova criatura e a nova vida da graça, pelo seu Espírito.

Ele transforma seus fluxos, e assim renova e muda os tipos especiais de Suas operações, que não podemos traçar facilmente seus caminhos, portanto podemos ficar confusos muitas vezes sobre isso, não sabendo bem o que Ele está fazendo conosco; por exemplo, pode ser que a obra da graça e santidade tenha se exercido e se evidenciado muito nos afetos, que por ela se renovam. Assim, as pessoas têm uma grande experiência de prontidão para deleite e alegria em deveres santos - especialmente aquelas afeições de ter comunicação imediata com Deus.

 

Os afetos são (na maior parte) rápidos e vigorosos na juventude de nossa profissão, e suas operações são sensíveis para aqueles em quem eles florescem, cujos frutos são visíveis - estes fazem com que os jovens crentes pareçam sempre renovados, e verdejantes nos caminhos da santidade.

Mas, pode ser que depois de algum tempo pareça bom, para o soberano Dispensador deste assunto, transformar as correntes de graça e santidade em outro canal, em que estavam uma vez.

 

O Espírito vê, que o exercício da humildade, tristeza segundo Deus, temor e diligência em conflito com tentações, talvez atinja a própria raiz da fé e amor, que são mais necessários para eles. Ele irá ordenar Suas dispensações para esses crentes, por aflições e tentações em certas ocasiões da vida - que terão novo trabalho a fazer; e toda graça que eles têm é transformada em um novo exercício.

Por sua vez, pode ser que eles não encontrem aquele vigor sensível em suas afeições espirituais, nem aquele prazer em seus deveres espirituais que encontraram anteriormente; o que,  às vezes, os deixa prontos para concluir que a graça tem decaído neles, que as fontes da santidade estão secando, e eles nem sabem onde estão nem o que são.

E ainda pode ser, que o verdadeiro trabalho de santificação esteja prosperando, e efetivamente sendo realizado neles.

 

Entretanto, deve ser considerado em todos os casos, que é uma verdade universal em relação à santificação, a de que sempre haverá um decaimento e enfraquecimento de nossas graças, caso não nos alimentemos adequadamente com todos os meios que nos são ordenados para tal fim, como o da vigilância, perseverança, oração, luta continua contra o pecado, meditação da Palavra, etc.

É certo que na conversão foi implantada uma nova natureza em nós, cuja inclinação é para as coisas do Espírito, mas esta inclinação pode ser enfraquecida ou abafada, se permitirmos que haja um predomínio da antiga inclinação para a carne, por nos deixarmos envolver novamente com as coisas do mundo em um viver carnal.

 

Mas, graças a Deus por nosso Senhor Jesus Cristo e a nova aliança que estabeleceu nos termos do evangelho, por quem podemos sempre ser renovados pelo Espírito Santo, em um verdadeiro refrigério, caso nos arrependamos e nos convertamos de nossos maus caminhos, voltando a nos interessar pela prática da santificação, pois Ele tem prometido renovar e refrigerar a todo aquele que o fizer. E, por este renovo do Espírito Santo poderemos voltar a adorar e amar a Deus de todo o nosso coração, com alegria e gratidão em nossa alma.

A vida espiritual de oração será reativada, e tudo o mais que se refere ao nosso relacionamento real com Jesus para servi-Lo nos interesses do Seu Reino.


 


 

 

Enviado por Silvio Dutra em 02/11/2021
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras