Legado Puritano
Quando a Piedade Tinha o Poder
Áudios
Deus Requer Santificação aos Cristãos 79
Data: 08/04/2022
Créditos:
Texto: Silvio Dutra
Voz: Silvio Dutra

 

"1 Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.

2 E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

3 Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um."  (Romanos 12.1-3)

 

A muitos falta a compreensão de qual seria a vinculação do que o apóstolo diz nos dois primeiros versículos, quanto à transformação pela renovação da mente e consagração da vida a Deus como um sacrifício vivo, com o que afirma no terceiro versículo que nenhum crente pense de si mesmo além do que convém, mas com moderação segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um para o cumprimento dos diversos dons e serviços no corpo de Cristo. Pelo contexto imediato e ensino de toda a Bíblia a respeito de tal assunto não resta dúvida que isto está relacionado especialmente ao que disse John Owen:

 

"Todos os crentes santificados têm uma habilidade e poder na mente renovada e compreensão, para ver, saber, discernir e receber coisas espirituais, os mistérios do evangelho e a mente de Cristo, em uma devida maneira espiritual. É verdade, nem todos que acreditam têm esse poder e habilidade no mesmo grau; mas cada um deles tem poder suficiente para discernir o que diz respeito necessariamente a si próprios e aos seus deveres. Alguns deles parecem, de fato, ter muito baixo conhecimento; e em comparação com outros, eles parecem muito ignorantes; pois há diferentes graus nessas coisas, Ef 4.7. Alguns deles são mantidos nessa condição por sua própria negligência e preguiça; eles não usam ou melhoram, como devem, esses meios de crescer na graça e no conhecimento de Jesus Cristo que Deus prescreve a eles, como se vê em Heb 6.1-6. Mas todos os que são verdadeiramente santificados e que receberam o menor grau de graça salvadora, têm luz suficiente para entender as coisas espirituais do evangelho de uma maneira espiritual.

Quando os mistérios do evangelho são pregados para os crentes, alguns deles podem ser declarados de tal forma que aqueles de menor capacidade e habilidade podem não ser capazes de compreender corretamente a doutrina dessas coisas. Porém, ainda é preciso ser proposto desta forma para a edificação daqueles que cresceram em conhecimento." É principalmente, por esta última razão apresentada que não se deve desprezar de modo algum a importância de se pregar e ensinar a toda a congregação de crentes todas as doutrinas do evangelho, porque sem isto não pode ser continuada a edificação daqueles que têm crescido no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo e de tudo o que está relacionado à Sua pessoa e obra, para a nossa salvação e santificação.

Não é dado aos crentes crescerem na mesma medida em sua estatura espiritual neste mundo quanto à compreensão das coisas celestiais e terem-nas aplicadas no mesmo grau em suas vidas, pois Deus é quem determina esta medida de fé que cada um deve receber para a Sua glória, assim como vemos na parábola dos talentos, em que é principalmente isto que está sendo destacado.

Ainda que, como vemos na parábola, ninguém poderá ter tal crescimento sem investir o dom recebido através de diligente esforço e fidelidade em seguir ao Senhor Jesus, consagrando-se a Ele, e daí as palavras dirigidas pelo apóstolo aos crentes em Romanos 12.1,2, quanto a se apresentarem a Deus como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus.

É pela continuidade na fidelidade e constância na referida consagração que Deus acrescentará medidas cada vez maiores em graus de santificação a cada um segundo o limite estabelecido para cada um deles. Os talentos devem ser investidos até o acréscimo em crescimento correspondente ao tamanho recebido por nós. Deus não exigirá mais de dois a quem deu dois, ou mais de cinco a quem deu cinco, e também não ficará satisfeito com menos.

Paulo conhecia por experiência própria este princípio espiritual do reino de Deus. Ele sabia que os dons devem ser exercitados e os serviços executados para a glória do Senhor, para o fortalecimento na fé em santificação, e que sem isto, o crente não poderá atingir a medida que lhe foi designada, e sem isto não pode também ser fortalecido com poder cada vez mais no homem interior, de maneira a se tornar inabalável e invencível nas lutas que tem que combater contra a carne, o diabo e o mundo.

Daí, a razão de o apóstolo ter exortado a Timóteo com as seguintes palavras:

"13 Até à minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino.

14 Não te faças negligente para com o dom que há em ti, o qual te foi concedido mediante profecia, com a imposição das mãos do presbitério.

15 Medita estas coisas e nelas sê diligente, para que o teu progresso a todos seja manifesto.

16 Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Continua nestes deveres; porque, fazendo assim, salvarás tanto a ti mesmo como aos teus ouvintes." (I Timóteo 4.13-16)

 

E ainda:

 

"Por esta razão, pois, te admoesto que reavives o dom de Deus que há em ti pela imposição das minhas mãos. (II Timóteo 1.6)

 

"1 Tu, pois, filho meu, fortifica-te na graça que está em Cristo Jesus.

2 E o que de minha parte ouviste através de muitas testemunhas, isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros." (II Timóteo 2.1,2)

 

De modo que nenhum líder se satisfaça em não se aplicar e fazer progresso no crescimento na graça e no conhecimento de Jesus e pelo ensino de toda a verdade segundo aprendizado prático pela iluminação do Espírito Santo, porque sem isto não é possível que aqueles que se encontram sob o seu ministério obtenham o crescimento espiritual designado por Deus para cada um deles, pois é dependente disto, porque não há santificação que não seja pela aplicação da verdade, a saber, da Palavra, e mediante operação do Espírito Santo, o qual atua em harmonia com a Palavra recebida através de audição ou meditação. Não esqueçamos que a fé vem pela pregação e esta pela Palavra de Cristo.

 

 

 

Enviado por Silvio Dutra em 28/01/2022
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras