Legado Puritano
Quando a Piedade Tinha o Poder
Textos
Paz

 
Finalmente, cabe respondermos à seguinte pergunta: Por que Deus exige de nós, que tenhamos alegria e paz?
A resposta é muito simples e objetiva: porque Deus nos criou para a amizade amorosa, em unidade espiritual com Ele, e com nossos irmãos na fé.
Ora, se o próprio Jesus é a paz e alegria, e todas as demais virtudes que nos são comunicadas por Ele, como a humildade, a mansidão, a longanimidade, a misericórdia, a fidelidade, a bondade, etc.; como podemos ter comunhão com Ele, caso venha a nos faltar qualquer uma dessas virtudes?
Como haverá comunhão entre nós e Deus, quando a humildade sai e o orgulho entra?
Como haverá comunhão, quando sai a paz e entra a exasperação, a ira, o ódio, o desejo de destruir nossos inimigos?
Não é sem razão, que ao ter orado pela unidade em amor entre os crentes e a trindade divina, que Jesus tenha pedido ao Pai, que os santificasse na verdade, que é a Sua Palavra. (João 17)

A razão é óbvia, como já dissemos antes, pois se não há um viver em santidade, pelo qual as virtudes do Senhor são implantadas e aumentadas em nós; como seria possível a unidade amorosa; que é almejada por Deus para os Seus filhos?
Assim, somos exortados a seguir com toda a diligência, a paz e a santificação (Hb 12: 14).
A razão é apontada pelo apóstolo logo a seguir, ao dizer que sem isto não é possível ver a Deus, ou seja, ter e manter comunhão com Ele.

Um crente que tiver sido justificado e regenerado é filho de Deus para sempre, mas ele pode ter um viver miserável neste mundo, caso lhe falte a comunhão permanente e amorosa com o Senhor.
O motivo da perda desta comunhão já foi apontado pelo próprio Deus, em sua Palavra - o pecado. E, já sabemos que não há necessidade de que sejam pecados grosseiros, pois a perda ainda que momentânea de algumas das virtudes que citamos antes, é o suficiente para quebrar a comunhão, até que seja restaurada por meio da confissão, do arrependimento, e ao retorno à prática das virtudes que nos são ordenadas.

É melhor suportar o prejuízo material, financeiro, emocional, sentimental, ou seja lá qual for, do que perdermos a paz de espírito, e com isto a nossa comunhão com Deus.
É preciso fixar com determinação, que não permitiremos que nada e ninguém nos tire do sério, permanentemente, de forma que não venhamos a perder o que é mais precioso do que tudo para nós, a saber, a comunhão amorosa com Deus.

Por isso, quando Jesus se apresentou aos apóstolos, depois da Sua ressurreição, Ele lhes impetrou a Sua paz sobrenatural, porque eles estavam turbados em seus corações, e neste estado não é possível ter a comunhão alegre e pacífica que o Senhor espera ter conosco.
Ele, primeiro lhes pacificou dizendo: “Paz seja convosco”, pois Sua presença é suficiente para nos comunicar esta maravilhosa paz; e automaticamente eles entraram em comunhão com Ele, em grande alegria.
Mais do que a ressurreição, a Sua presença com eles, gerando aquele amor e paz em seus corações, foi o motivo da grande alegria que experimentaram.
Assim, também nós devemos nos esforçar para permanecermos na presença do Senhor, porque esta é a Sua principal vontade em relação aos crentes - e isto faremos, preservando a paz nas provações, e com ela todas as demais virtudes que nos são necessárias, como a humildade, a longanimidade, a misericórdia, a fé, a bondade, a fidelidade, a benignidade, a alegria, a moderação, etc.
Devemos ser movidos pelo mesmo espírito que havia em Habacuque, que em suas perplexidades, recorria ao Senhor para achar paz e alegria, e assim, manter comunhão com Ele.


“8 Acaso, é contra os rios, SENHOR, que estás irado? É contra os ribeiros a tua ira ou contra o mar, o teu furor, já que andas montado nos teus cavalos, nos teus carros de vitória?
9 Tiras a descoberto o teu arco, e farta está a tua aljava de flechas. Tu fendes a terra com rios.
10 Os montes te veem e se contorcem; passam torrentes de água; as profundezas do mar fazem ouvir a sua voz e levantam bem alto as suas mãos.
11 O sol e a lua param nas suas moradas, ao resplandecer a luz das tuas flechas sibilantes, ao fulgor do relâmpago da tua lança.
12 Na tua indignação, marchas pela terra, na tua ira, calcas aos pés as nações.
13 Tu sais para salvamento do teu povo, para salvar o teu ungido; feres o telhado da casa do perverso e lhe descobres de todo o fundamento.
14 Traspassas a cabeça dos guerreiros do inimigo com as suas próprias lanças, os quais, como tempestade, avançam para me destruir; regozijam-se, como se estivessem para devorar o pobre às ocultas.
15 Marchas com os teus cavalos pelo mar, pela massa de grandes águas.
16 Ouvi-o, e o meu íntimo se comoveu, à sua voz, tremeram os meus lábios; entrou a podridão nos meus ossos, e os joelhos me vacilaram, pois, em silêncio, devo esperar o dia da angústia, que virá contra o povo que nos acomete.
17 Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado,
18 todavia, eu me alegro no SENHOR, exulto no Deus da minha salvação.
19 O SENHOR Deus é a minha fortaleza, e faz os meus pés como os da corça, e me faz andar altaneiramente. Ao mestre de canto. Para instrumentos de cordas.” (Habacuque 3.8-19).

“Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (João 16: 33).

 
Silvio Dutra
Enviado por Silvio Dutra em 13/11/2018
Alterado em 01/08/2021
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras