Legado Puritano
Quando a Piedade Tinha o Poder
Textos
As Duas Faces da Morte


 
Para todo crente verdadeiro, em Jesus, a morte é a coroação da esperança de glória, e da consumação da restauração, na perfeição sem pecado, obtida pela fé em Cristo, e iniciada aqui neste mundo, pela regeneração e santificação do Espirito Santo.
No entanto, para os não convertidos a morte significa o término de qualquer esperança de ser livrado da condenação eterna, e a imediata entrada naquele estado de vergonha e horror onde há choro e ranger de dentes incessantes.
Esta é a distinção que é claramente ensinada em toda a Bíblia, quanto aos que creem e os que não creem em Cristo.
Por ser um assunto de tal ordem, de vida e morte não apenas física, mas espiritual e eterna, podemos entender a razão de pregadores verdadeiros do evangelho exporem em termos tão vigorosos e ameaçadores, o terrível perigo que há em se negligenciar uma grande salvação, que nos está sendo oferecida inteiramente pela graça de Jesus.
Não é porque a salvação seja somente por fé e graça, que não seja tão importante e vital. É assim, porque não poderia ter sido de outra forma.
Como é uma salvação para pessoas que espiritualmente encontram-se, não apenas na ignorância e cegueira dos caminhos eternos de Deus, mas também mortas, incapazes de enxergarem sua condição e o que lhes é oferecido, sem a luz da iluminação de Jesus Cristo em seus corações, nos é ordenado que o evangelho seja pregado, indicando que, se tão somente olharmos para Jesus com os olhos da fé, seremos não apenas instruídos, mas efetivamente transformados em novas criaturas.

Somente Jesus tem o poder de nos ressuscitar, espiritualmente falando. Ele mostrou este poder em figura, em seu ministério terreno, ressuscitando Lázaro e outros.
Não precisamos conhecer com perfeição, em detalhes, tudo o que se refira à nossa condição pecaminosa, quanto à perfeição de santidade que está em Jesus, da qual somos chamados a participar, para que sejamos salvos.
Basta apenas nos arrependermos da nossa condição de pecadores, e confiarmos em Jesus para ser nosso Senhor e Salvador, para que sejamos admitidos no reino dos céus, pois somente a partir de então, poderemos começar a ser instruídos sobre o modo que nos convém andar nos caminhos de Deus.
Não há apego ao pecado, que o Espírito Santo não possa destruir. Nossas maiores inclinações vis podem ser redirecionadas por Ele, a se tornarem as inclinações mais santas.
Basta crer e confiar no Senhor, e o mais Ele fará, tanto em criar em nós desejos santos, quanto à capacitação necessária para realizá-los.
Silvio Dutra
Enviado por Silvio Dutra em 12/04/2019
Alterado em 30/07/2021
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras