Legado Puritano
Quando a Piedade Tinha o Poder
Textos

 

“Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vós outros, ante cujos olhos foi Jesus Cristo exposto como crucificado? Quero apenas saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Sois assim insensatos que, tendo começado no Espírito, estejais, agora, vos aperfeiçoando na carne? Terá sido em vão que tantas coisas sofrestes? Se, na verdade, foram em vão. Aquele, pois, que vos concede o Espírito e que opera milagres entre vós, porventura, o faz pelas obras da lei ou pela pregação da fé? É o caso de Abraão, que creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça. Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão. Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o evangelho a Abraão: Em ti, serão abençoados todos os povos. De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão. Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las. E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé.” (Gálatas 3.1-11)

 

Embora Deus livre, graciosa e abundantemente recompense nossos deveres de obediência, e por conta de sua aliança e promessa dizem que ele é justo em fazer isso, mas ele declara em todos os lugares da Escritura que o que ele faz é um ato de mera graça em si mesmo, que não tem respeito a qualquer coisa, exceto à interposição e mediação de Jesus Cristo. Nesse sentido, no evangelho, Deus não exige nada de nós.

Muito menos Deus exige que alguém faça algo que é desnecessário para a obediência que eles pessoalmente devem a Ele, que pode ainda de alguma forma, por sua superação nisto, redundar em vantagem e benefício de outros. Aqueles que fingem fazer isso funcionar são apenas carne, eles não podem por si próprios ser "justificados à vista de Deus." Gal 3.11. E assim é extremo orgulho e maldita autoconfiança para eles. Comprometer-se a ajudar os outros pelo mérito dessas obras, cujo valor eles não estão na necessidade dele, pois toda glória que Deus receberá sempre será por meio dos méritos e obras de Cristo em nós e através de nós. A respeito dessas obras de justiça própria, um dia lhes será dito: "Quem tem exigido essas coisas de suas mãos?” Is 1.12. Mas agora, porque Deus não exige nenhuma dessas coisas de nós, nada com respeito a qualquer um desses fins, a perversidade de nossas mentes por natureza é tal que muitos pensam que Deus não exige nada mais de nós, para qualquer outro fim. Nem podem conceber em seus corações por que deveriam realizar qualquer dever para com Deus, a menos que seja com relação a essas coisas. Se eles podem fazer alguma coisa para compensar seus pecados passados (pelo menos em suas próprias mentes e consciências), qualquer coisa pela qual possam obter aceitação de Deus e sua aprovação de seu estado e condição, então eles supõem que eles tenham algo que pode vivificar e animar seus esforços. Sem essas considerações, a santa obediência é uma coisa sem vida e inútil para eles. Outros irão trabalhar e sofrer, tanto na mortificação exterior do pecado, e generosidade abundante no caminho da caridade supersticiosa, se forem persuadidos de que merecerão a vida eterna e a salvação por meio deles, sem estarem muito em dívida com a graça de Deus em Cristo Jesus. Na verdade, tudo o que tem a face ou pretensão de religião entre os legalistas consiste em uma suposição que tudo o que Deus requer de nós, é com respeito a estes fins de expiação, justificação e mérito próprio. Eles se aplicam a tudo aquilo que resta das ordenanças de Deus entre eles; e todas as suas próprias invenções são gerenciadas com o mesmo desígnio. Mas por essas coisas, o evangelho e a fé de nosso Senhor Jesus Cristo, é feito de nenhum efeito. Nisto, digo então, reside a oposição expressa que existe entre a "sabedoria de Deus" no mistério do evangelho, e a "sabedoria da carne", ou nossa razão carnal. Deus, ao lidar conosco pelo evangelho, toma em conta Sua própria graça e sabedoria para fornecer uma expiação por nossos pecados, e uma justiça pelas quais possamos ser justificados diante dele, e a concessão da vida eterna sobre nós - tudo em e por aquele que, de Deus, é "feito para nós sabedoria e justiça, e santificação e redenção." 1 Cor 1.30, a saber, nosso Senhor Jesus Cristo.

E Deus nos enviou o Espírito Santo para que possamos conhecer por meio da Sua instrução e operação em nós, o que nos foi dado gratuitamente em Jesus Cristo.

“12 Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente.

13 Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais.” (I Coríntios 2.12,13)

Todavia, não devemos apenas pensar e dizer: “Podemos descansar porque é Deus quem tudo faz. Não precisamos nos mover em nenhum sentido, e apenas aguardar a sua bênção.” Isto vai contra o propósito pelo qual o Espírito Santo veio habitar em nós, para que nos esforçássemos em aprender tudo o que convém ao nosso viver na presença de Deus, quer em pensamentos, palavras e atos. É requerido pelo Senhor, indispensavelmente, santidade e obediência universal de nós para os fins que serão declarados posteriormente, pois que glória Ele receberia através de Cristo se não houvesse a manifestação do Seu poder em nos libertar e santificar?

Este caminho de salvação, pensa a sabedoria da carne, ou nossa razão carnal, é mera "tolice"; como nosso apóstolo cita em 1 Cor 1.18, 23; mas é uma tal loucura que é "mais sábia do que os homens", versículo 25 - ou seja, é uma maneira que é assim excelente e cheia de sabedoria divina, que os homens não são capazes de compreendê-la. Isto é porque, em oposição a este caminho, a razão carnal conclui que o que Deus requer de nós não importa se é feito ou não. Nem pode a carne discernir de que uso nossa santidade ou obediência a Deus seria, se não servir a esses propósitos. Não leva em consideração a necessidade de conformar-se a Deus, para ter sua imagem renovada em nós antes de sermos levados a desfrutar dele na glória, sem consideração pela autoridade de seus mandamentos ou por sua sabedoria, nenhum pensamento de que ele designou o caminho da santidade e da obediência como o meio de expressar nossa gratidão e de glorificá-lo no mundo, e vir para a vida eterna.

Silvio Dutra
Enviado por Silvio Dutra em 28/01/2022
Alterado em 30/01/2022
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras