Legado Puritano
Quando a Piedade Tinha o Poder
Textos

Preciosas Lições para Nós no Martírio de Estevão

 

 

Atos 7

Neste capítulo temos o martírio de Estevão, o primeiro mártir da igreja cristã, que liderou a vanguarda do nobre exército de mártires. E, portanto, seus sofrimentos e morte estão mais amplamente registrados na Bíblia do que os de qualquer outro, para orientação e encorajamento a todos aqueles que são chamados a resistir até o sangue, como ele fez. Aqui está,

I. Sua defesa de si mesmo perante o sinédrio dos judeus, em resposta aos assuntos e coisas das quais ele foi acusado, cujo objetivo é mostrar que não houve blasfêmia contra Deus, nem qualquer dano à glória de seu nome, por ter dito que o templo deveria ser destruído e os costumes da lei cerimonial mudados,conforme Jesus havia profetizado e ensinado, como vemos por exemplo em seu sermão profético em Mateus 25 além de outras passagens. E,

1. Ele mostra isso repassando a história do Antigo Testamento e observando que Deus nunca pretendeu limitar seus favores à terra prometida de Canaã, que Israel habitava, ou à lei cerimonial de Moisés; e que eles não tinham motivos para esperar que ele o fizesse, pois o povo dos judeus sempre foi um povo provocador e havia perdido os privilégios de sua aliança, pois a havia quebrado; e aquele lugar sagrado e aquela lei eram apenas figuras de coisas boas que viriam, e não foi nenhum menosprezo para eles quando disse que deveriam dar lugar a coisas melhores, ver 1-50. E então,

2. Ele aplica isso àqueles que o processaram e julgaram-no, reprovando-os severamente por sua maldade, pela qual eles trouxeram sobre si a ruína de seu lugar e nação, e então não suportaram ouvir isso, ver 51-53.

II. A morte dele por apedrejamento, e sua submissão paciente, alegre e piedosa diante disso, ver 54-60.

 

Discurso de Estevão. (versos 1 a 16)

1 Então, lhe perguntou o sumo sacerdote: Porventura, é isto assim?

2 Estevão respondeu: Varões irmãos e pais, ouvi. O Deus da glória apareceu a Abraão, nosso pai, quando estava na Mesopotâmia, antes de habitar em Harã,

3 e lhe disse: Sai da tua terra e da tua parentela e vem para a terra que eu te mostrarei.

4 Então, saiu da terra dos caldeus e foi habitar em Harã. E dali, com a morte de seu pai, Deus o trouxe para esta terra em que vós agora habitais.

5 Nela, não lhe deu herança, nem sequer o espaço de um pé; mas prometeu dar-lhe a posse dela e, depois dele, à sua descendência, não tendo ele filho.

6 E falou Deus que a sua descendência seria peregrina em terra estrangeira, onde seriam escravizados e maltratados por quatrocentos anos;

7 eu, disse Deus, julgarei a nação da qual forem escravos; e, depois disto, sairão daí e me servirão neste lugar.

8 Então, lhe deu a aliança da circuncisão; assim, nasceu Isaque, e Abraão o circuncidou ao oitavo dia; de Isaque procedeu Jacó, e deste, os doze patriarcas.

9 Os patriarcas, invejosos de José, venderam-no para o Egito; mas Deus estava com ele

10 e livrou-o de todas as suas aflições, concedendo-lhe também graça e sabedoria perante Faraó, rei do Egito, que o constituiu governador daquela nação e de toda a casa real.

11 Sobreveio, porém, fome em todo o Egito; e, em Canaã, houve grande tribulação, e nossos pais não achavam mantimentos.

12 Mas, tendo ouvido Jacó que no Egito havia trigo, enviou, pela primeira vez, os nossos pais.

13 Na segunda vez, José se fez reconhecer por seus irmãos, e se tornou conhecida de Faraó a família de José.

14 Então, José mandou chamar a Jacó, seu pai, e toda a sua parentela, isto é, setenta e cinco pessoas.

15 Jacó desceu ao Egito, e ali morreu ele e também nossos pais;

16 e foram transportados para Siquém e postos no sepulcro que Abraão ali comprara a dinheiro aos filhos de Hamor.

 

Estevão está agora no tribunal perante o grande conselho da nação, indiciado por blasfêmia: o que as testemunhas juraram contra ele, tivemos um relato no capítulo anterior, que ele falou palavras blasfemas contra Moisés e Deus; pois ele falou contra este lugar santo e contra a lei. 

I. O sumo sacerdote exorta-o a responder por si mesmo. Ele era o presidente e, como tal, o porta-voz do tribunal e, portanto, ele disse: “Você, o prisioneiro no tribunal, você ouve o que é acusado contra você; você já pronunciou alguma palavra com esse propósito? Se o fez, você vai se retratar ou vai apoiá-la? Culpado ou inocente?" Isso carregava uma demonstração de justiça, mas parece ter sido falado com um ar de arrogância; e até agora ele parece ter pré-julgado a causa, que, se fosse assim, ele havia falado tais e tais palavras, ele certamente seria considerado um blasfemador, independentemente do que ele pudesse oferecer como justificativa ou explicação delas.e deveria ser morto por apedrejamento. 

II. Ele começa sua defesa, e ela é longa; mas deveria parecer, por sua interrupção abrupta, justamente quando chegou ao ponto principal (v. 50), que teria demorado muito mais tempo se seus inimigos lhe tivessem dado permissão para dizer tudo o que tinha a dizer. Em geral podemos observar. No caso de Estevão e de muitos que defendem a verdade, a inocência deles não servirá de justificativa para os seus algozes malignos.

1. Que neste discurso de defesa, Estevão parece ser um homem pronto e poderoso nas Escrituras, e assim completamente equipado para toda boa palavra e obra. Ele pode relatar histórias das Escrituras, e aquelas que são muito pertinentes ao seu propósito, de imediato, sem olhar na Bíblia. Ele foi cheio do Espírito Santo, não tanto para revelar-lhe coisas novas, ou revelar-lhe os conselhos e decretos secretos de Deus a respeito da nação judaica, com eles para convencer esses opositores; não, mas para trazer à sua lembrança as Escrituras do Antigo Testamento e ensinar como fazer uso delas para sua convicção. Aqueles que estão cheios do Espírito Santo estarão cheios das Escrituras, como Estevão estava.

Sua entrada no discurso, que (seja lá o que pareça para aqueles que o leem descuidadamente) está longe de ser uma longa divagação apenas para divertir os ouvintes e distraí-los contando-lhes uma velha história. Não; tudo é pertinente e para o propósito de mostrar-lhes que Deus não tinha Seu coração tanto naquele lugar santo e na lei quanto eles tinham; mas, como ele tinha uma igreja no mundo muitas eras antes daquele lugar santo ser fundado e a lei cerimonial dada, ele também a teria quando ambos deveriam ter sido afastados.

[1.] Ele começa com o chamado de Abraão para fora de Ur dos Caldeus, pelo qual ele foi separado para Deus para ser o administrador da promessa e o pai da igreja do Antigo Testamento.  Seu país natal era um país idólatra, era a Mesopotâmia, (v. 2), a terra dos caldeus (v. 4); daí Deus o trouxe a dois lugares, não muito longe ao mesmo tempo, tratando-o com ternura; ele primeiro o tirou da terra dos caldeus para Charran, ou Haran, um lugar a meio caminho entre Ur e Canaã (Gn 11.31), e daí cinco anos depois, quando seu pai estava morto, ele o levou para a terra de Canaã, onde vocês israelitas moram agora. Parece que a primeira vez que Deus falou com Abraão, ele apareceu em alguma demonstração visível da presença divina, como o Deus da glória (v. 2), para estabelecer uma correspondência com ele: e depois ele manteve essa correspondência, e falava com ele de vez em quando, conforme havia ocasião, sem repetir suas aparições visíveis como o Deus da glória.

Primeiro, a partir deste chamado de Abraão podemos observar:

1. Que em todos os nossos caminhos devemos reconhecer a Deus e atender às instruções de sua providência, como na coluna de nuvem e fogo. Não é dito que Abraão foi removido, mas Deus o removeu para esta terra onde você agora habita, e ele apenas seguiu seu Líder.

2. Aqueles a quem Deus faz aliança consigo mesmo, ele distingue dos filhos deste mundo; eles são efetivamente chamados para fora do estado, para fora da terra, de seu nascimento; eles devem permanecer livres para o mundo e viver acima dele e de tudo que nele há, mesmo aquilo que nele é mais caro para eles, e devem confiar em Deus para compensá-los em outro e melhor país, isto é, o celestial, que ele lhes mostrará. Os escolhidos de Deus devem segui-lo com fé e obediência implícitas. Nisto se vê que o propósito de Deus em relação a seu povo não é o de que eles estejam envolvidos com as coisas deste mundo, fazendo delas o fim mesmo de suas vidas.

 

Em segundo lugar, mas vejamos o que isso significa no caso de Estevão:

 

1. Eles o acusaram de blasfemador de Deus e apóstata da igreja de Israel; portanto, ele mostra que é filho de Abraão e se valoriza por ser capaz de dizer: Nosso pai Abraão, e que é um adorador fiel do Deus de Abraão, a quem, portanto, ele aqui chama de Deus da glória. Ele também mostra que é dono da revelação divina, e particularmente daquela pela qual a igreja judaica foi fundada e incorporada.

2. Eles estavam orgulhosos de terem sido circuncidados; e, portanto, ele mostra que Abraão foi levado sob a orientação de Deus e em comunhão com ele, antes de ser circuncidado. Com este argumento Paulo prova que Abraão foi justificado pela fé, porque foi justificado quando estava na incircuncisão: e o mesmo ocorre aqui. Quando Abraão creu em Deus que dele sairia a Semente santa, Abraão foi justificado pela fé e recebeu a circuncisão como um sinal desta justiicação. Ou seja, não somos cincurcindados para sermos justificados, mas porque fomos justificados antes pela fé. É o mesmo que pode ser aplicado ao batismo dos crentes na Igreja de Cristo nas águas.

3. Eles tinham um grande zelo por este lugar santo, que pode significar toda a terra de Canaã; pois foi chamada terra santa, terra de Emanuel; e a destruição do templo santo inferia a da terra santa. "Agora", diz Estevão, "você não precisa se orgulhar disso; pois"

(1.) "Você veio originalmente de Ur dos Caldeus, onde seus pais serviram a outros deuses (Josué 24. 2), e vocês não foram os primeiros plantadores deste país. Olhe, portanto, para a rocha de onde você foi talhado, e para o santo da cova da qual você foi escavado;" isto é, como segue ali, "olhe para Abraão, seu pai, pois eu chamei somente ele (Is 51. 1, 2) - pense na mesquinhez de seu início, e como você está inteiramente em dívida com a graça divina, e então você verá que a vanglória será excluída para sempre. Foi Deus quem levantou o homem justo do oriente, e chamou-o a pé. Is 41. 2. Mas, se a sua descendência degenerar, que saibam que Deus pode destruir este lugar santo, e levantar para si outro povo, pois ele não é devedor para com ninguém.

(3.) "Deus não se apressou em trazê-lo para esta terra, mas deixou-o permanecer alguns anos no caminho, o que mostra que Deus não tem seu coração tanto nesta terra como você tem o seu, nem é sua honra, nem a felicidade de seu povo, ligada a ela. Portanto, não é blasfêmia nem traição dizer: Ela será destruída".

 

Em segundo lugar, Abraão, ele próprio era apenas um estrangeiro e peregrino naquela terra, e Deus não lhe deu nenhuma herança nela, não, nem mesmo a ponto de pisar; mas lá estava ele, como num país estranho, onde estava sempre em fuga e não podia chamar nada de seu.

 

Em terceiro lugar, a sua posteridade não chegou a possuí-la por muito tempo: Depois de quatrocentos anos eles virão e me servirão neste lugar, e não antes disso.

 

E, em quarto lugar, eles devem passar por muitas privações e dificuldades antes de serem colocados na posse daquela terra: eles serão levados à escravidão e maltratados em uma terra estranha: e isso, não como punição de qualquer pecado particular, como foi sua peregrinação no deserto, pois nunca encontramos tal relato de sua escravidão no Egito; mas assim Deus determinou, e deve ser. (O mesmo sucede aos crentes da Igreja de Cristo em sua pergrinação e aflições neste mundo, onde se encotram como escravizados no Egito, mas rumo à liberdade perfeita da Canaã Celestial, onde esperam nem tanto pelo lugar mas pelo Senhor dele que é Deus e Cristo.)

 

E ao final de quatrocentos anos, contados a partir do nascimento de Isaque, eu julgarei aquela nação à qual eles serão escravos, diz Deus. Agora, isso nos ensina:

 

1. Que todas as suas obras são conhecidas por Deus de antemão. Quando Abraão não tinha herança nem herdeiro, ainda assim lhe foi dito que ele deveria ter ambos, um como terra prometida e o outro como filho prometido; e, portanto, ambos tiveram e receberam pela fé.

 

2. Que as promessas de Deus, embora lentas, são seguras em sua operação; eles serão cumpridos na época delas, embora talvez não tão cedo quanto esperamos.

 

3. Que embora o povo de Deus possa estar em angústia e problemas por um tempo, ainda assim Deus finalmente os resgatará e acertará contas com aqueles que os oprimem; pois, em verdade, há um Deus que julga na terra.

Mas vejamos como isso serviu ao propósito de Estevão.

 

1. A nação judaica, pela honra da qual eles tanto zelavam, era muito insignificante em seu início; assim como seu pai comum, Abraão, foi tirado da obscuridade em Ur dos Caldeus, assim suas tribos, e seus chefes, foram tirados da servidão no Egito, quando eram o menor número de todas as pessoas, Deuteronômio 7:7. E que necessidade há de tanto barulho, como se a ruína deles, quando a trazem sobre si pelo pecado, devesse ser a ruína do mundo e de todos os interesses de Deus nele? Não; aquele que os tirou do Egito pode trazê-los para lá novamente, como ele ameaçou (Dt 28.68), e ainda assim não ser um perdedor, enquanto ele pode, das pedras, suscitar filhos para Abraão.

 

2. Os passos lentos pelos quais a promessa feita a Abraão avançou em direção ao cumprimento, e as muitas aparentes contradições aqui observadas, mostram claramente que ela tinha um significado espiritual, e que a terra principalmente destinado a ser transportado e assegurada para ela era um país melhor, isto é, o celestial; como o apóstolo mostra a partir deste mesmo argumento que os patriarcas peregrinaram na terra da promessa, como num país estranho, inferindo daí que procuravam uma cidade que tivesse fundamentose que é inabalável, Hb 11.9,10. Portanto, não foi uma blasfêmia Estevão ter dito: Jesus destruirá este lugar, quando ao mesmo tempo dizemos: “Ele nos levará à Canaã celestial e nos dará posse daquilo, do qual a Canaã terrestre era apenas um tipo e figura."

 

[3.] A construção da família de Abraão, com a implicação da graça divina sobre ela, e as disposições da Providência divina a respeito dela, que ocupam o resto do livro de Gênesis.

Primeiro, Deus se comprometeu a ser um Deus para Abraão e sua semente; e, em sinal disso, determinou que ele e sua semente masculina fossem circuncidados, Gn 17.9,10. Ele lhe deu o pacto da circuncisão, isto é, o pacto do qual a circuncisão era o selo; e, portanto, quando Abraão teve um filho, ele o circuncidou no oitavo dia (v. 8), pelo qual ele estava ao mesmo tempo vinculado pela lei divina e interessado na promessa divina; pois a circuncisão se referia a ambos, sendo um selo da aliança tanto da parte de Deus - eu serei para você um Deus todo-suficiente, quanto da parte do homem - Ande diante de mim e seja perfeito. E então, quando o cuidado eficaz foi tomado para assegurar a semente de Abraão, para ser uma semente para servir ao Senhor, eles começaram a se multiplicar: Isaque gerou Jacó, e Jacó os doze patriarcas, ou raízes das respectivas tribos de Israel.

 

Em segundo lugar, José, o querido e abençoado da casa de seu pai, foi abusado por seus irmãos; eles o invejaram por causa dos seus sonhos e o venderam para o Egito. Assim, cedo, os filhos de Israel começaram a ressentir-se daqueles entre eles que eram eminentes e ofuscavam outros, dos quais sua inimizade para com Cristo, que, como José, era um nazireu entre seus irmãos, era um grande exemplo. O que é carnal lutará contra o que é espiritual,porque a carne não está sujeita a Deus e nem mesmo pode estar, pois é inimnizade contra Deus. O simples fato de pertencer ao Israel terreno e carnal não significa portanto qualquer vantagem ou mérito diante de Deus para ir habitar na Canaã Celestial que é destinada somente aos que são espirituais e não carnais.

 

Em terceiro lugar, Deus possuía José em seus problemas, e estava com ele (Gn 39.2,21), pela influência de seu Espírito, tanto em sua mente, dando-lhe conforto, quanto nas mentes daqueles com quem ele estava preocupado, dando-lhe favor aos olhos deles. E assim finalmente ele o livrou de suas aflições, e Faraó fez dele o segundo homem no reino, Sl 105.20-22. E assim ele não apenas alcançou grande preferência entre os egípcios, mas se tornou o pastor e a pedra de Israel, Gênesis 49. 24. Assim, há de ser com todo crente fiel como foi José, que depois de terem sido afligidos serão achados no porvir governando juntamente com Cristo.

 

Em quarto lugar, Jacó foi compelido a descer ao Egito, por uma fome que o forçou a sair de Canaã, uma escassez (que foi uma grande aflição), a tal ponto que nossos pais não encontraram sustento em Canaã. Aquela terra frutífera se transformou em árida. Mas, ao ouvir que havia trigo no Egito (estimado pela sabedoria de seu próprio filho), ele enviou primeiro nossos pais para buscar trigo (v. 12). E na segunda vez que eles foram, José, que a princípio se fez estranho para eles, deu-se a conhecer a eles, e foi notificado ao Faraó que eles eram parentes de José e dependiam dele (v. 13), após o que, com a permissão de Faraó, José mandou buscar seu pai Jacó ao Egito, com toda a sua parentela e família, no número de setenta e cinco almas, para ali subsistirem (v. 13).

Em quinto lugar, Jacó e seus filhos morreram no Egito (v. 15), mas foram levados para serem sepultados em Canaã (v. 16). Jacó desceu ao Egito e morreu, ele e nossos pais; e (nossos pais) foram transportados para Siquém; e ele, isto é, Jacó, foi colocado no sepulcro que Abraão trouxe por uma quantia em dinheiro, Gênesis 23. 16. (Ou, eles foram colocados lá, isto é, Abraão, Isaque e Jacó.) E eles, a saber, os outros patriarcas, foram sepultados no sepulcro comprado dos filhos de Emor, pai de Siquém.

Vejamos agora o que isso representa para o propósito de Estevão.

1. Ele ainda os lembra do início humilde da nação judaica, como uma forma de impedir que se orgulhem das glórias daquela nação; e que foi por um milagre de misericórdia que eles foram levantados do nada para o que eram, de um número tão pequeno para uma nação tão grande; mas, se não responderem à intenção de serem assim criados, não poderão esperar outra coisa senão serem destruídos. Os profetas frequentemente os lembravam de tirá-los do Egito, como um agravamento de seu desprezo pela lei de Deus, e aqui isso é insistido sobre eles como um agravamento de seu desprezo pelo evangelho de Cristo.

2. Ele também os lembra da maldade daqueles que foram os patriarcas de suas tribos, ao invejarem seu irmão José e vendê-lo ao Egito; e o mesmo espírito ainda trabalhava neles para com Cristo e seus ministros.

3. Sua terra santa, a qual eles tanto adoravam, seus pais foram mantidos fora de posse por muito tempo e encontraram nela escassez e grande aflição; e, portanto, não pensem que é estranho se, depois de ter sido poluído por tanto tempo com o pecado, for finalmente destruído.

4. A fé dos patriarcas ao desejarem ser sepultados na terra de Canaã mostrou claramente que eles estavam de olho no país celestial, para o qual era desígnio deste Jesus conduzi-los.

Discurso de Estevão.

17 Como, porém, se aproximasse o tempo da promessa que Deus jurou a Abraão, o povo cresceu e se multiplicou no Egito,

18 até que se levantou ali outro rei, que não conhecia a José.

19 Este outro rei tratou com astúcia a nossa raça e torturou os nossos pais, a ponto de forçá-los a enjeitar seus filhos, para que não sobrevivessem.

20 Por esse tempo, nasceu Moisés, que era formoso aos olhos de Deus. Por três meses, foi ele mantido na casa de seu pai;

21 quando foi exposto, a filha de Faraó o recolheu e criou como seu próprio filho.

22 E Moisés foi educado em toda a ciência dos egípcios e era poderoso em palavras e obras.

23 Quando completou quarenta anos, veio-lhe a ideia de visitar seus irmãos, os filhos de Israel.

24 Vendo um homem tratado injustamente, tomou-lhe a defesa e vingou o oprimido, matando o egípcio.

25 Ora, Moisés cuidava que seus irmãos entenderiam que Deus os queria salvar por intermédio dele; eles, porém, não compreenderam.

26 No dia seguinte, aproximou-se de uns que brigavam e procurou reconduzi-los à paz, dizendo: Homens, vós sois irmãos; por que vos ofendeis uns aos outros?

27 Mas o que agredia o próximo o repeliu, dizendo: Quem te constituiu autoridade e juiz sobre nós?

28 Acaso, queres matar-me, como fizeste ontem ao egípcio?

29 A estas palavras Moisés fugiu e tornou-se peregrino na terra de Midiã, onde lhe nasceram dois filhos.

Estevão aqui continua relatando,

I. O maravilhoso aumento do povo de Israel no Egito; foi por um milagre da providência que em pouco tempo eles passaram de uma família a uma nação.

1. Foi quando o tempo da promessa se aproximou - o tempo em que eles seriam formados como povo. Durante os primeiros duzentos e quinze anos após a promessa feita a Abraão, o número de filhos do pacto aumentou apenas para setenta; mas nos últimos duzentos e quinze anos aumentaram para seiscentos mil combatentes. O movimento da providência às vezes é mais rápido quando se aproxima do centro. Não desanimemos diante da lentidão dos processos rumo ao cumprimento das promessas de Deus; Deus sabe resgatar o tempo que parece perdido e, quando se aproxima o ano dos redimidos, pode fazer uma obra dupla em um único dia.

2. Foi no Egito, onde foram oprimidos e governados com rigor; quando suas vidas se tornaram tão amargas para eles que, alguém poderia pensar, eles deveriam ter desejado ficar sem filhos, mas eles se casaram, na fé de que Deus no devido tempo os visitaria; e Deus abençoou aqueles que assim o honraram, dizendo: Frutificai e multiplicai-vos. Os tempos de sofrimento têm sido frequentemente tempos de crescimento para a igreja.

II. As extremas dificuldades que ali sofreram, v. 18, 19. Quando os egípcios observaram que eles aumentavam em número, aumentaram seus fardos, nos quais Estevão observa três coisas:

1. Sua vil ingratidão: Foram oprimidos por outro rei que não conhecia José, ou seja, não considerou o bom serviço que José havia prestado àquela nação; pois, se o tivesse feito, não teria feito uma retribuição tão negativa aos seus parentes e família. Aqueles que prejudicam pessoas boas são muito ingratos, pois são as bênçãos da época e do lugar em que vivem.

2. Sua arte e política infernais: Eles lidaram sutilmente com nossos parentes. Vamos lá, disseram eles, vamos agir com sabedoria, pensando assim em nos proteger, mas isso provou ser uma atitude tola, pois eles apenas acumularam ira com isso. Cometem um grande erro aqueles que pensam que agem com sabedoria para si mesmos quando tratam seus irmãos de maneira enganosa ou impiedosa.

3. Sua crueldade bárbara e desumana. Para que pudessem efetivamente extirpá-los, expulsaram seus filhos pequenos, para que não vivessem. A matança de sua semente infantil parecia uma forma muito provável de esmagar uma nação infantil. Agora Estevão parece observar isso para eles, não apenas para que pudessem ver ainda mais quão mesquinho foi seu início, apropriadamente representado (talvez tendo em vista a exposição das crianças no Egito) pelo estado desamparado e marginalizado de uma criança (Ez 16.4), e o quanto eles estavam em dívida com Deus por seu cuidado com eles, do qual eles haviam perdido e se tornado indignos: mas também para que pudessem considerar que o que eles estavam fazendo agora contra a igreja cristã em sua infância foi tão ímpia e injusta, e seria tão infrutífera e ineficaz, quanto o que os egípcios fizeram contra a igreja judaica em sua infância. "Você pensa que trata sutilmente seus maus tratos para conosco e, ao perseguir os jovens convertidos, você faz o mesmo que eles fizeram ao expulsar as crianças; mas você descobrirá que isso não tem nenhum propósito, apesar de sua malícia, os discípulos de Cristo irão aumentar e multiplicar."

III. O levantamento de Moisés para ser seu libertador. Estevão foi acusado de ter falado palavras blasfemas contra Moisés, em resposta a qual acusação ele aqui fala dele com muita honra.

1. Moisés nasceu quando a perseguição de Israel estava no auge, especialmente naquele momento mais cruel, o assassinato dos filhos recém-nascidos: Naquela época, Moisés nasceu (v. 20), e ele próprio estava em perigo, assim que ele veio ao mundo (como nosso Salvador também estava em Belém) de cair em sacrifício àquele decreto sangrento. Deus está se preparando para a libertação de seu povo, quando seu caminho for mais sombrio e sua angústia mais profunda.

2. Ele era extremamente justo; seu rosto começou a brilhar assim que nasceu, como um feliz presságio da honra que Deus pretendia dar-lhe; ele era asteios para Theo – justo para com Deus; ele foi santificado desde o ventre, e isso o tornou belo aos olhos de Deus; pois é a beleza da santidade que tem grande valor aos olhos de Deus.

3. Ele foi maravilhosamente preservado em sua infância, primeiro, pelos cuidados de seus ternos pais, que o alimentaram durante três meses em sua própria casa, enquanto duraram; e depois, por uma providência favorável que o lançou nos braços da filha do Faraó, que o acolheu e o nutriu como seu próprio filho (v. 21); pois aqueles a quem Deus deseja fazer uso especial, ele cuidará especialmente. E ele protegeu assim o menino Moisés? Muito mais ele protegerá os interesses de seu santo filho Jesus (como é chamado cap. 4.27) dos inimigos que estão reunidos contra ele.

4. Ele se tornou um grande erudito (v. 22): Ele foi instruído em toda a sabedoria dos egípcios, que eram então famosos por todo tipo de literatura educada, particularmente filosofia, astronomia e (o que talvez tenha ajudado a levá-los à idolatria) hieróglifos. Moisés, tendo sua educação na corte, teve a oportunidade de se aprimorar com os melhores livros, tutores e conversação, em todas as artes e ciências, e era um gênio para isso. Somente temos motivos para pensar que ele não havia esquecido até agora o Deus de seus pais a ponto de se familiarizar com os estudos e práticas ilegais dos mágicos do Egito, além do que era necessário para refutá-los.

5. Tornou-se primeiro-ministro de Estado no Egito. Isso parece significar o fato de ele ser poderoso em palavras e ações. Embora ele não tivesse uma maneira pronta de se expressar, mas gaguejava, ainda assim ele falava com um bom senso admirável, e tudo o que ele dizia exigia assentimento, e carregava consigo sua própria evidência e força de razão; e, nos negócios, ninguém prosseguiu com tanta coragem, conduta e sucesso. Assim ele foi preparado, por ajuda humana, para aqueles serviços para os quais, afinal de contas, ele não poderia ser completamente fornecido sem a iluminação divina. Agora, com tudo isso, Estevão fará parecer que, apesar das insinuações maliciosas de seus perseguidores, ele tinha pensamentos tão elevados e honrosos sobre Moisés quanto eles.

IV. As tentativas que Moisés fez para libertar Israel, que eles rejeitaram e não fecharam. Este Estevão insiste muito nisso e serve como chave para esta história (Êxodo 2:11-15), assim como aquela outra construção que é colocada sobre ela pelo apóstolo, Hebreus 11:24-26. Ali ela é representada como um ato de santa abnegação, aqui como um prelúdio planejado ou uma entrada no serviço público para o qual ele deveria ser chamado (v. 23): Quando ele completou quarenta anos, no no auge de seu tempo para ser promovido na corte do Egito, surgiu em seu coração (pois Deus o colocou lá) visitar seus irmãos, os filhos de Israel, e ver de que maneira ele poderia prestar-lhes algum serviço; e ele se mostrou uma pessoa pública, de caráter público.

1. Como salvador de Israel. Ele deu um exemplo disso ao vingar um israelita oprimido e matar o egípcio que abusou dele (v. 24). Vendo um de seus irmãos sofrer injustiça, ele foi movido de compaixão pelo sofredor, e uma justa indignação pelo malfeitor, como deveriam ser os homens em posições públicas, e ele vingou aquele que foi oprimido, e feriu o egípcio, que, se ele fosse apenas uma pessoa privada, não poderia ter feito isso legalmente; mas ele sabia que sua comissão do céu o apoiaria, e ele supôs que seus irmãos (que não podiam deixar de ter algum conhecimento da promessa feita a Abraão, de que Deus julgaria a nação que os oprimisse) teriam entendido que Deus por sua mão os livraria; pois ele não poderia ter tido presença de espírito ou força corporal para fazer o que fez, se não estivesse revestido de um poder divino que evidenciasse uma autoridade divina. Se eles tivessem compreendido os sinais dos tempos, poderiam ter interpretado isso como o amanhecer do dia de sua libertação; mas eles não entenderam, não tomaram isso, como foi planejado, para o estabelecimento de um estandarte e o toque de uma trombeta, para proclamar Moisés como seu libertador.

2. Como juiz de Israel. Ele deu um exemplo disso, logo no dia seguinte, ao oferecer-se para resolver questões entre dois hebreus em disputa, onde ele claramente assumiu um caráter público (v. 26): Ele se mostrou a eles enquanto eles se esforçavam, e, assumindo um ar de majestade e autoridade, ele os teria unido novamente, e como seu príncipe teria determinado a controvérsia entre eles, dizendo: Senhores, vocês são irmãos, por nascimento e profissão de religião; por que você confunde um com o outro? Pois ele observou que (como na maioria dos conflitos) havia uma falha de ambos os lados; e, portanto, para haver paz e amizade, deve haver remissão e condescendência mútuas. Quando Moisés deveria ser o libertador de Israel do Egito, ele matou os egípcios e, assim, livrou Israel de suas mãos; mas, quando ele deveria ser o juiz e legislador de Israel, ele os governou com o cetro de ouro, não com a barra de ferro; ele não os matou quando eles lutavam, mas deu-lhes excelentes leis e estatutos, e decidiu sobre as queixas e apelos feitos a ele, Êxodo 18. 16. Mas o israelita contendente que estava mais errado o expulsou (v. 27), não suportou a reprovação, embora justa e gentil, mas estava pronto para voar em sua face, com: Quem te fez governante para julgar sobre nós? Espíritos orgulhosos e litigiosos são impacientes com verificações e controle. Em vez disso, estes israelitas teriam os seus corpos governados com rigor pelos seus capatazes do que seriam libertados, e teriam as suas mentes governadas pela razão, pelo seu libertador. O malfeitor ficou tão furioso com a reprovação que lhe foi dada que censurou Moisés pelo serviço que havia prestado à sua nação ao matar o egípcio, o que, se eles quisessem, teria sido o penhor de um serviço maior e adicional: Queres tu matar-me, como fizeste ontem com o egípcio? v. 28, acusando-o disso como seu crime, e ameaçando acusá-lo por isso, que foi hastear a bandeira de desafio aos egípcios, e a bandeira de amor e libertação a Israel. Então Moisés fugiu para a terra de Midiã e não fez mais nenhuma tentativa de libertar Israel até quarenta anos depois; ele se estabeleceu como estrangeiro em Midiã, casou-se e teve dois filhos, com a filha de Jetro, v. 29.

Agora vejamos como isso serve ao propósito de Estevão.

1. Eles o acusaram de blasfemar contra Moisés, em resposta ao que ele retruca sobre eles as indignidades que seus pais fizeram a Moisés, das quais eles deveriam se envergonhar e se humilhar, em vez de provocarem brigas assim, sob o pretexto de zelo pelo honra de Moisés, com alguém que tinha por ele uma veneração tão grande quanto qualquer um deles.

2. Eles o perseguiram por disputar em defesa de Cristo e de seu evangelho, em oposição ao qual estabeleceram Moisés e sua lei: "Mas", disse ele, "é melhor você tomar cuidado"

(1.) "Para que você não faça como seus pais fizeram, recuse e rejeite aquele a quem Deus levantou para ser para você um príncipe e um Salvador; você pode entender, se não fechar voluntariamente os olhos contra a luz, que Deus, por meio deste Jesus, libertará vocês de uma escravidão pior do que a do Egito; tomem cuidado para não expulsá-lo, mas recebam-no como governante e juiz sobre vocês”.

(2.) "Para que vocês não se saiam como seus pais se saíram, que por isso foram justamente deixados para morrer em sua escravidão, pois a libertação só veio quarenta anos depois. Este será o resultado disso, você deixou de lado o evangelho de você, e será enviado aos gentios; você não terá a Cristo, e você não o terá, assim será a sua condenação. Mateus 23. 38, 39.

Discurso de Estevão.

30 Decorridos quarenta anos, apareceu-lhe, no deserto do monte Sinai, um anjo, por entre as chamas de uma sarça que ardia.

31 Moisés, porém, diante daquela visão, ficou maravilhado e, aproximando-se para observar, ouviu-se a voz do Senhor:

32 Eu sou o Deus dos teus pais, o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó. Moisés, tremendo de medo, não ousava contemplá-la.

33 Disse-lhe o Senhor: Tira a sandália dos pés, porque o lugar em que estás é terra santa.

34 Vi, com efeito, o sofrimento do meu povo no Egito, ouvi o seu gemido e desci para libertá-lo. Vem agora, e eu te enviarei ao Egito.

35 A este Moisés, a quem negaram reconhecer, dizendo: Quem te constituiu autoridade e juiz? A este enviou Deus como chefe e libertador, com a assistência do anjo que lhe apareceu na sarça.

36 Este os tirou, fazendo prodígios e sinais na terra do Egito, assim como no mar Vermelho e no deserto, durante quarenta anos.

37 Foi Moisés quem disse aos filhos de Israel: Deus vos suscitará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim.

38 É este Moisés quem esteve na congregação no deserto, com o anjo que lhe falava no monte Sinai e com os nossos pais; o qual recebeu palavras vivas para no-las transmitir.

39 A quem nossos pais não quiseram obedecer; antes, o repeliram e, no seu coração, voltaram para o Egito,

40 dizendo a Arão: Faze-nos deuses que vão adiante de nós; porque, quanto a este Moisés, que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu.

41 Naqueles dias, fizeram um bezerro e ofereceram sacrifício ao ídolo, alegrando-se com as obras das suas mãos.

Estevão aqui prossegue em sua história de Moisés; e que alguém julgue se estas são palavras de alguém que foi blasfemador de Moisés ou não; nada poderia ser falado com mais honra dele. Aqui está,

I. A visão que ele teve da glória de Deus na sarça (v. 30): Quando quarenta anos haviam expirado (durante todo esse tempo Moisés foi sepultado vivo em Midiã, e já estava velho, e alguém poderia pensar que o serviço já havia passado), para que pudesse parecer que todas as suas atuações eram produtos de um poder e promessa divinos (assim como parecia que Isaque era um filho da promessa por ter nascido de pais com idade avançada), agora, aos oitenta anos, ele entra em ação, aquele posto de honra para o qual nasceu, em recompensa pela sua abnegação aos quarenta anos. Observe,

1. Onde Deus lhe apareceu: No deserto do Monte Sinai. E, quando ele lhe apareceu ali, aquele era o solo santo (v. 33), do qual Estevão toma conhecimento, como um cheque para aqueles que se orgulhavam do templo, aquele lugar santo, como se não houvesse comunhão a ser feita. com Deus, mas lá; ao passo que Deus encontrou Moisés e se manifestou a ele em um lugar remoto e obscuro no deserto do Sinai. Enganam-se se pensam que Deus está confinado a lugares; ele pode levar seu povo para um deserto e lá falar confortavelmente com eles.

2. Como ele apareceu para ele: Em uma chama de fogo (pois nosso Deus é um fogo consumidor), e ainda assim a sarça, na qual esse fogo estava, embora fosse matéria combustível, não foi consumida, o que, por representar o estado de Israel no Egito (onde, embora estivessem no fogo da aflição, ainda assim não foram consumidos), então talvez possa ser visto como um tipo da encarnação de Cristo e da união entre a natureza divina e humana: Deus, manifestado na carne, era como a chama de fogo manifestada na sarça.

3. Como Moisés foi afetado por isso:

(1.) Ele ficou maravilhado com a visão. Foi um fenômeno cuja solução todo o seu conhecimento egípcio não poderia lhe fornecer. A princípio ele teve a curiosidade de investigar: vou me virar agora e ver esta grande visão; mas quanto mais se aproximava, mais ficava impressionado; e,

(2.) Ele tremeu e não ousou ver, não ousou olhar fixamente para isso; pois ele logo percebeu que não era um meteoro de fogo, mas o anjo do Senhor; e ninguém menos que o Anjo da aliança, o próprio Filho de Deus. Isso o deixou tremendo. Estevão foi acusado de blasfemar contra Moisés e contra Deus (cap. 6-11), como se Moisés fosse um pequeno deus; mas com isso parece que ele era um homem, sujeito a paixões semelhantes às nossas, e particularmente ao medo, sob qualquer aparência da majestade e glória divinas.

II. A declaração que ele ouviu sobre a aliança de Deus (v. 32): A voz do Senhor veio a ele; pois a fé vem pelo ouvir; e foi isto: Eu sou o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó; e, portanto,

1. "Eu sou o mesmo que era." A aliança que Deus fez com Abraão há alguns séculos atrás foi: Eu serei para ti um Deus, um Deus todo-suficiente. "Agora", diz Deus, "essa aliança ainda está em pleno vigor; não foi cancelada nem esquecida, mas eu sou, como era, o Deus de Abraão, e agora farei com que pareça assim"; pois todos os favores, todas as honras que Deus colocou sobre Israel, foram fundadas nesta aliança com Abraão e fluíram dela.

2. "Serei o mesmo que sou." Pois se a morte de Abraão, Isaque e Jacó não pode quebrar a relação de aliança entre Deus e eles (como parece que não pode), então nada mais pode: e então ele será um Deus,

(1.) Para suas almas, que agora estão separadas de seus corpos. Nosso Salvador prova assim o estado futuro, Mateus 22:31,32. Abraão está morto, mas Deus ainda é seu Deus, portanto Abraão ainda está vivo. Deus nunca fez por ele neste mundo aquilo que correspondesse à verdadeira intenção e plena extensão dessa promessa, de que ele seria o Deus de Abraão; e, portanto, isso deve ser feito por ele no outro mundo. Ora, esta é a vida e a imortalidade que são trazidas à luz pelo evangelho, para plena convicção dos saduceus, que a negaram. Aqueles, portanto, que se levantaram em defesa do evangelho e se esforçaram para propagá-lo, estavam tão longe de blasfemar contra Moisés que prestaram a maior honra imaginável a Moisés, e aquela gloriosa descoberta que Deus fez de si mesmo para ele na sarça.

(2.) Para sua semente. Deus, ao declarar-se assim o Deus de seus pais, insinuou sua bondade para com sua semente, para que eles fossem amados por causa dos pais, Romanos 11:28; Deuteronômio 7. 8. Agora os pregadores do evangelho pregaram esta aliança, a promessa feita por Deus aos pais; a qual promessa aqueles das doze tribos que continuaram servindo a Deus esperavam vir, cap. 26. 6, 7. E deveriam eles, sob o pretexto de apoiar o lugar santo e a lei, opor-se à aliança que foi feita com Abraão e sua semente, sua semente espiritual, antes de a lei ser dada, e muito antes de o lugar santo ser construído? Visto que a glória de Deus deve ser para sempre promovida, e nossa glória para sempre silenciada, Deus fará com que nossa salvação seja pela promessa, e não pela lei; os judeus, portanto, que perseguiram os cristãos, sob o pretexto de que blasfemavam a lei, blasfemaram eles próprios a promessa e abandonaram todas as suas próprias misericórdias que estavam contidas nela.

III. A comissão que Deus lhe deu para libertar Israel do Egito. Os judeus colocaram Moisés em competição com Cristo e acusaram Estevão de blasfemador porque ele também não o fez. Mas Estevão aqui mostra que Moisés era um tipo eminente de Cristo, pois era o libertador de Israel. Quando Deus se declarou o Deus de Abraão, ele procedeu:

1. Para ordenar a Moisés uma postura reverente: "Tire os sapatos dos pés. Não entre em coisas sagradas com pensamentos baixos, frios e comuns. Mantenha o pé, Eclesiastes 5. 1. Não sejas precipitado e temerário em tuas aproximações a Deus; anda suavemente”.

2. Ordenar a Moisés um serviço muito eminente. Quando ele estiver pronto para receber comandos, ele receberá comissão. Ele é comissionado a exigir permissão do Faraó para que Israel saia de sua terra, e a fazer cumprir essa exigência (v. 34). Observe,

(1.) A observação que Deus tomou tanto de seus sofrimentos quanto do sentido de seus sofrimentos: Eu vi, vi sua aflição e ouvi seus gemidos. Deus tem uma consideração compassiva pelos problemas de sua igreja e pelos gemidos de seu povo perseguido; e a libertação deles surge de sua piedade.

(2.) A determinação que ele estabeleceu para resgatá-los pela mão de Moisés: desci para libertá-los. Deveria parecer que, embora Deus esteja presente em todos os lugares, ele usa aqui essa expressão de descer para libertá-los, porque essa libertação era típica do que Cristo fez, quando, por nós, homens, e para nossa salvação, ele desceu do céu.; aquele que subiu primeiro desceu. Moisés é o homem que deve ser empregado: Vem, e eu te enviarei ao Egito: e, se Deus o enviar, ele o possuirá e lhe dará sucesso.

IV. Sua atuação no cumprimento desta comissão, na qual ele era uma figura do Messias. E Estevão toma nota aqui novamente dos desprezos que lhe fizeram, das afrontas que lhe fizeram e da recusa deles em tê-lo para reinar sobre eles, como uma tendência a magnificar muito seu arbítrio em sua libertação.

1. Deus honrou aquele a quem eles desprezaram (v. 35): Este Moisés, a quem eles recusaram (cujas ofertas gentis e bons ofícios eles rejeitaram com desprezo, dizendo: Quem te constituiu governante e juiz? Tu tomaste demais sobre ti, filho de Levi, Números 16.3), este mesmo Moisés Deus enviou para ser um governante e um libertador, pela mão do anjo que lhe apareceu na sarça. Pode-se entender também que Deus lhe enviou pela mão do anjo que o acompanhou e ele se tornou um libertador completo. Agora, por este exemplo, Estevão insinuou ao conselho que este Jesus a quem eles agora recusaram, como seus pais fizeram com Moisés, dizendo: Quem te fez profeta e rei? Quem te deu essa autoridade? A saber, este mesmo Deus avançou para ser um príncipe e um Salvador, um governante e um libertador; como os apóstolos lhes haviam dito há pouco (cap. 5:30, 31), que a pedra que os construtores recusaram se tornou a pedra angular de esquina, cap. 4. 11.

2. Deus mostrou favor a eles por meio dele, e ele estava muito disposto a servi-los, embora eles o tivessem rejeitado. Deus poderia ter-lhes recusado com justiça o seu serviço, e ele poderia tê-lo recusado com justiça; mas está tudo esquecido: eles nem sequer são repreendidos por isso, v. 36. Ele os tirou, não obstante, depois de ter mostrado maravilhas e sinais na terra do Egito (que posteriormente continuaram para completar sua libertação, conforme o caso os exigia) no Mar Vermelho e no deserto por quarenta anos. Ele está tão longe de blasfemar contra Moisés que o admira como um instrumento glorioso nas mãos de Deus para a formação da igreja do Antigo Testamento. Mas não prejudica de forma alguma a sua justa honra dizer que ele era apenas um instrumento, e que ele é ofuscado por este Jesus, com quem ele encoraja esses judeus a se aproximarem e a entrarem em seu interesse, não temendo, mas que então eles deveriam ser recebidos em seu favor e receber benefícios por ele, como o povo de Israel foi libertado por Moisés, embora uma vez o tivessem recusado.

V. Sua profecia de Cristo e sua graça. Ele não apenas era um tipo de Cristo (muitos o eram, que talvez não tivessem uma previsão real de seus dias), mas Moisés falou dele (v. 37): Este é aquele Moisés que disse aos filhos de Israel: Um profeta o Senhor teu Deus te levante dentre teus irmãos. Isto é mencionado como uma das maiores honras que Deus colocou sobre ele (ou melhor, como aquela que excedeu todo o resto), que por meio dele ele deu aviso aos filhos de Israel do grande profeta que deveria vir ao mundo, levantou suas expectativas dele, e exigiu que eles o recebessem. Quando se fala em tirá-los do Egito, é com ênfase de honra: Este é aquele Moisés, Êxodo 6. 26. E assim é aqui, este é aquele Moisés. Agora, isso está muito de acordo com o propósito de Estevão; ao afirmar que Jesus deveria mudar os costumes da lei cerimonial, ele estava tão longe de blasfemar contra Moisés que realmente lhe prestou a maior honra imaginável, ao mostrar como a profecia de Moisés foi cumprida, o que era tão claro, que, como Cristo disse eles mesmos, se tivessem acreditado em Moisés, teriam acreditado nele, João 5. 46.

1. Moisés, em nome de Deus, disse-lhes que, na plenitude dos tempos, eles deveriam ter um profeta levantado entre eles, alguém de sua própria nação, que seria semelhante a ele (Dt 18.15, 18), - um governante e libertador, juiz e legislador, como ele - que deveria, portanto, ter autoridade para mudar os costumes que havia entregue e trazer uma esperança melhor, como Mediador de um testamento melhor.

2. Ele os encarregou de ouvir aquele profeta, de receber seus ditames, de admitir a mudança que ele faria em seus costumes e de se submeter a ele em tudo; "e esta será a maior honra que você pode prestar a Moisés e à sua lei, que disse: Ouvi-o; e veio a ser uma testemunha da repetição desta ordem por uma voz do céu, na transfiguração de Cristo, e pelo seu silêncio deu consentimento para isso", Mateus 17. 5.

VI. Os serviços eminentes que Moisés continuou a prestar ao povo de Israel, depois de ter sido fundamental para tirá-los do Egito. E aqui também ele era um tipo de Cristo, que ainda o excede tanto que não é blasfêmia dizer: “Ele tem autoridade para mudar os costumes que Moisés transmitiu”. Foi a honra de Moisés:

1. Que ele estivesse na igreja no deserto; ele presidiu todos os seus assuntos por quarenta anos, foi rei em Jesurum, Deut 33. 5. O acampamento de Israel é aqui chamado de igreja no deserto; pois era uma sociedade sagrada, incorporada por uma carta divina sob um governo divino e abençoada com revelação divina. A igreja no deserto era uma igreja, embora ainda não estivesse perfeitamente formada, como seria quando eles chegaram a Canaã, mas cada homem fazia o que era reto aos seus próprios olhos, Dt 12.8,9. Foi uma honra para Moisés estar naquela igreja, e muitas vezes ela teria sido destruída se Moisés não estivesse ali para interceder por ela. Mas Cristo é o presidente e guia de uma igreja mais excelente e gloriosa do que aquela no deserto, e está mais nela, como a vida e a alma dela, do que Moisés poderia estar nela.

2. Que ele esteve com o anjo que lhe falou no monte Sinai, e com nossos pais - esteve com ele no monte santo duas vezes e quarenta dias, com o anjo da aliança, Miguel, nosso príncipe. Moisés ficou imediatamente familiarizado com Deus, mas nunca se deitou em seu seio como Cristo fez desde a eternidade. Ou estas palavras podem ser interpretadas assim: Moisés estava na igreja no deserto, mas foi com o anjo que falou com ele no monte Sinai, isto é, na sarça ardente; pois se dizia que isso acontecia no monte Sinai (v. 30); aquele anjo foi adiante dele e foi seu guia, caso contrário ele não poderia ter sido um guia para Israel; disto Deus fala (Êxodo 23. 20), envio um anjo diante de ti, e Êxodo 33. 2. E veja Números 20. 16. Ele estava na igreja com o anjo, sem o qual não poderia ter prestado nenhum serviço à igreja; mas o próprio Cristo é aquele anjo que estava com a igreja no deserto e, portanto, tem autoridade acima de Moisés.

3. Que ele recebeu oráculos animados para dar-lhes; não apenas os dez mandamentos, mas as outras instruções que o Senhor deu a Moisés, dizendo: Fala-as aos filhos de Israel.

(1.) As palavras de Deus são oráculos, certos e infalíveis, e de autoridade e obrigação inquestionáveis; eles devem ser consultados como oráculos, e por eles todas as controvérsias devem ser determinadas.

(2.) Eles são oráculos animados, pois são os oráculos do Deus vivo, não dos ídolos mudos e mortos dos pagãos: a palavra que Deus fala é espírito e vida; não que a lei de Moisés pudesse dar vida, mas mostrou o caminho para a vida: Se queres entrar na vida, guarda os mandamentos.

(3.) Moisés os recebeu de Deus e não entregou nada como oráculo ao povo, exceto o que ele havia recebido primeiro de Deus.

(4.) Os oráculos vivos que recebeu de Deus, ele deu fielmente ao povo, para serem observados e preservados. Foi o principal privilégio dos judeus que lhes fossem confiados os oráculos de Deus; e foi pela mão de Moisés que eles foram dados. Assim como Moisés não lhes deu aquele pão, também não lhes deu aquela lei do céu (João 6:32), mas Deus deu-lha a eles; e aquele que lhes deu esses costumes por meio de seu servo Moisés poderia, sem dúvida, quando quisesse, mudar os costumes por meio de seu Filho Jesus, que recebeu oráculos mais vívidos para nos dar do que Moisés.

VII. O desprezo que foi, depois disso, e apesar disso, colocado sobre ele pelo povo. Aqueles que acusaram Estevão de falar contra Moisés fariam bem em responder o que os seus próprios antepassados tinham feito, e seguiram os passos dos seus antepassados.

1. Eles não lhe obedeceram, mas expulsaram-no deles. Murmuravam contra ele, amotinavam-se contra ele, recusavam-se a obedecer às suas ordens e, por vezes, estavam prontos a apedrejá-lo. Moisés realmente lhes deu uma lei excelente, mas com isso parecia que ela não poderia tornar perfeitos os que ali chegavam (Hb 10.1), pois em seus corações eles voltaram novamente para o Egito, e preferiram ali o alho e as cebolas antes da lei. o maná que tinham sob a orientação de Moisés, ou o leite e o mel que esperavam em Canaã. Observe, seu descontentamento secreto para com Moisés, com sua inclinação para o egipicismo, se assim posso chamar. Isto era, na verdade, um retorno ao Egito; estava fazendo isso de coração. Muitos que fingem estar avançando em direção a Canaã, mantendo uma exibição e profissão de religião, estão, ao mesmo tempo, em seus corações voltando-se para o Egito, como a esposa de Ló voltou para Sodoma, e serão tratados como desertores, porque é o coração que Deus olha. Agora, se os costumes que Moisés lhes transmitiu não puderam prevalecer para mudá-los, não é de admirar que Cristo venha para mudar os costumes e introduzir uma forma de adoração mais espiritual.

2. Fizeram um bezerro de ouro em seu lugar, o que, além da afronta que foi assim oferecida a Deus, foi uma grande indignidade para Moisés: pois foi com essa consideração que fizeram o bezerro, porque "quanto a este Moisés, que trouxe da terra do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu; portanto, fazei-nos deuses de ouro;" como se um bezerro fosse suficiente para suprir a necessidade de Moisés, e tão capaz de ir adiante deles para a terra prometida. Então eles fizeram um bezerro naqueles dias em que a lei lhes foi dada, e ofereceram sacrifícios ao ídolo, e se alegraram no trabalho de suas próprias mãos. Eles estavam tão orgulhosos de seu novo deus que, quando se sentaram para comer e beber, levantaram-se para brincar! Por tudo isso, parece que havia muita coisa que a lei não poderia fazer, na medida em que era fraca pela carne; era, portanto, necessário que esta lei fosse aperfeiçoada por uma mão melhor, e ele não foi um blasfemador contra Moisés, que disse que Cristo havia feito isso.

Discurso de Estevão.

42 Mas Deus se afastou e os entregou ao culto da milícia celestial, como está escrito no Livro dos Profetas: Ó casa de Israel, porventura, me oferecestes vítimas e sacrifícios no deserto, pelo espaço de quarenta anos,

43 e, acaso, não levantastes o tabernáculo de Moloque e a estrela do deus Renfã, figuras que fizestes para as adorar? Por isso, vos desterrarei para além da Babilônia.

44 O tabernáculo do Testemunho estava entre nossos pais no deserto, como determinara aquele que disse a Moisés que o fizesse segundo o modelo que tinha visto.

45 O qual também nossos pais, com Josué, tendo-o recebido, o levaram, quando tomaram posse das nações que Deus expulsou da presença deles, até aos dias de Davi.

46 Este achou graça diante de Deus e lhe suplicou a faculdade de prover morada para o Deus de Jacó.

47 Mas foi Salomão quem lhe edificou a casa.

48 Entretanto, não habita o Altíssimo em casas feitas por mãos humanas; como diz o profeta:

49 O céu é o meu trono, e a terra, o estrado dos meus pés; que casa me edificareis, diz o Senhor, ou qual é o lugar do meu repouso?

50 Não foi, porventura, a minha mão que fez todas estas coisas?

Duas coisas que temos nestes versículos:

I. Estevão os repreende pela idolatria de seus pais, à qual Deus os entregou, como punição por tê-lo abandonado precocemente na adoração do bezerro de ouro; e este foi o castigo mais triste de todos por esse pecado, pois foi pela idolatria do mundo gentio que Deus os entregou a uma mente réproba. Quando Israel foi unido aos ídolos, unido ao bezerro de ouro, e não muito depois a Baal-Peor, Deus disse: Deixe-os em paz; deixe-os prosseguir (v. 42): Então Deus se voltou e os entregou para adorar o exército do céu. Ele os advertiu particularmente para não fazerem isso, por sua conta e risco, e deu-lhes razões pelas quais não deveriam; mas, quando eles estavam empenhados nisso, ele os entregou aos seus próprios corações; luxúria, retirou sua graça restritiva, e então eles seguiram seus próprios conselhos, e ficaram tão escandalosamente loucos por seus ídolos como nunca ninguém esteve. Compare Deuteronômio 4. 19 com Jeremias 8. 2. Para isso ele cita uma passagem de Amós 5. 25. Pois seria menos invejoso contar-lhes o seu próprio [caráter e condenação] de um profeta do Antigo Testamento, que os repreende,

1. Por não sacrificarem ao seu próprio Deus no deserto (v. 42): Você me ofereceu animais mortos e sacrifícios pelo espaço de quarenta anos no deserto? Não; durante todo esse tempo foram interrompidos sacrifícios a Deus; eles nem sequer celebraram a páscoa após o segundo ano. Foi condescendência de Deus para com eles que ele não insistiu nisso durante seu estado instável; mas então deixe-os considerar o quão mal eles o recompensaram ao oferecer sacrifícios aos ídolos, quando Deus dispensou que eles os oferecessem a ele. Isto também é um freio ao seu zelo pelos costumes que Moisés lhes transmitiu, e ao seu medo de serem mudados por este Jesus, que imediatamente após terem sido entregues, esses costumes foram por quarenta anos juntos abandonados como coisas desnecessárias.

2. Por sacrificar a outros deuses depois que eles vieram para Canaã (v. 43): Você assumiu o tabernáculo de Moloque. Moloque era o ídolo dos filhos de Amon, ao qual eles barbaramente ofereceram seus próprios filhos em sacrifício, o que não poderiam fazer sem grande terror e tristeza para si mesmos e suas famílias; ainda assim, eles chegaram a essa idolatria antinatural, quando Deus os entregou para adorar o exército do céu. Ver 2 Crônicas 28. 3. Foi certamente a ilusão mais forte a que as pessoas foram entregues, e o maior exemplo do poder de Satanás nos filhos da desobediência e, portanto, é aqui mencionado enfaticamente: Sim, você assumiu o tabernáculo de Moloque, você se submeteu até mesmo para isso, e para a adoração da estrela do seu deus Remphan. Alguns pensam que Remphan significa a lua, assim como Moloque significa o sol; outros o consideram Saturno, pois esse planeta é chamado Remphan nas línguas siríaca e persa. A Septuaginta coloca isso para Chiun, como sendo um nome mais comumente conhecido. Eles tinham imagens representando a estrela, como os santuários de prata para Diana, aqui chamados de figuras que faziam para adorar. Lightfoot pensa que eles tinham figuras representando todo o firmamento estrelado, com todas as constelações e os planetas, e estes são chamados de Remphan - "a representação elevada", como o globo celestial: uma coisa pobre para se fazer um ídolo, e ainda assim melhor que um bezerro de ouro! Agora, por isso está ameaçado, vou levá-lo para além da Babilônia. Em Amós está além de Damasco, ou seja, para Babilônia, a terra do norte. Mas Estevão muda isso, tendo em vista o cativeiro das dez tribos, que foram levadas para além da Babilônia, pelo rio de Gozan, e nas cidades dos medos, 2 Reis 17. 6. Portanto, não lhes pareça estranho ouvir falar da destruição deste lugar, pois já tinham ouvido falar disso muitas vezes dos profetas do Antigo Testamento, que não foram, portanto, acusados de blasfemadores por ninguém, exceto pelos governantes iníquos. Observou-se, no debate sobre o caso de Jeremias, que Miqueias não foi chamado a prestar contas, embora profetizasse, dizendo: Sião será lavrada como um campo, Jer 26.18, 19.

II. Ele dá uma resposta particularmente à acusação apresentada contra ele em relação ao templo, de que ele proferiu palavras blasfemas contra aquele lugar santo, v. 44-50. Ele foi acusado de dizer que Jesus destruiria este lugar santo: “E se eu dissesse isso?” (diz Estevão) "a glória do Deus santo não está ligada à glória deste lugar santo, mas pode ser preservada intocada, embora seja colocado no pó"; pois,

1. "Não foi até que nossos pais chegaram ao deserto, a caminho de Canaã, que eles tiveram qualquer local fixo de adoração; e ainda assim os patriarcas, muitas épocas antes, adoravam a Deus de forma aceitável nos altares que eles tinham adjacentes a suas próprias tendas ao ar livre – sub dio; e aquele que foi adorado sem um lugar santo na primeira, melhor e mais pura era da igreja do Antigo Testamento, poderá e será assim quando este lugar santo for destruído, sem qualquer diminuição à sua glória."

2. O lugar santo era a princípio apenas um tabernáculo, humilde e móvel, mostrando-se de curta duração e não projetado para continuar sempre. Por que este lugar sagrado, embora construído de pedras, não poderia ser decentemente levado ao seu fim e dar lugar aos seus melhores, assim como aquele, embora emoldurado por cortinas? Assim como não foi uma desonra, mas uma honra a Deus, que o tabernáculo deu lugar ao templo, assim é agora que o templo material dá lugar ao espiritual, e assim será quando, finalmente, o templo espiritual for dar lugar ao eterno.

3. Aquele tabernáculo era um tabernáculo de testemunho, uma figura das coisas boas que viriam, do verdadeiro tabernáculo que o Senhor fundou, e não os homens, Hb 8.2. Esta foi a glória tanto do tabernáculo como do templo, que eles foram erguidos para um testemunho daquele templo de Deus que nos últimos dias deveria ser aberto no céu (Ap 11.19), e do tabernáculo de Cristo na terra (como a palavra é, João 1. 14) e do templo do seu corpo.

4. Aquele tabernáculo foi construído exatamente como Deus designou e de acordo com o modelo que Moisés viu no monte, o que claramente sugere que se referia às coisas boas que viriam. Sendo sua ascensão celestial, seu significado e tendência o foram; e, portanto, não diminuiu em nada a sua glória dizer que este templo feito por mãos deveria ser destruído, para a construção de outro feito sem mãos, o que foi considerado o crime de Cristo (Marcos 14:58) e o de Estevão.

5. Aquele tabernáculo foi construído primeiro no deserto; não era nativo desta sua terra (à qual você acha que deve ser confinado para sempre), mas foi trazido na era seguinte, por nossos pais, que vieram depois daqueles que primeiro o ergueram, para a posse do Gentios, para a terra de Canaã, que há muito tempo estava na posse das nações devotadas que Deus expulsou da face de nossos pais. E por que Deus não poderia estabelecer seu templo espiritual, como havia feito com o tabernáculo material, naqueles países que eram agora propriedade dos gentios? Esse tabernáculo foi trazido por aqueles que vieram com Jesus, isto é, Josué. E penso que, por uma questão de distinção, e para evitar erros, deveria ser assim lido, tanto aqui como em Hebreus 4.8. No entanto, ao nomear Josué aqui, que em grego é Jesus, pode haver uma sugestão tácita de que, assim como o Josué do Antigo Testamento trouxe aquele tabernáculo típico, o Josué do Novo Testamento deveria trazer o verdadeiro tabernáculo para a posse dos gentios.

6. Esse tabernáculo continuou por muitos séculos, até os dias de Davi, mais de quatrocentos anos, antes que houvesse qualquer pensamento de construir um templo. Davi, tendo encontrado favor diante de Deus, de fato desejava este favor adicional, ter permissão para construir uma casa para Deus, para ser um tabernáculo permanente, ou morada, para a Shequiná, ou os sinais da presença do Deus de Jacó. Aqueles que encontraram o favor de Deus devem mostrar-se avançados para promover os interesses de seu reino entre os homens.

7. Deus tinha tão pouco seu coração em um templo, ou em um lugar tão sagrado pelo qual eles tinham tanto zelo, que, quando Davi desejou construir um, ele foi proibido de fazê-lo; Deus não tinha pressa em encontrar um, como disse a Davi (2 Sm 7.7), e portanto não foi ele, mas seu filho Salomão, alguns anos depois, que lhe construiu uma casa. Davi teve toda aquela doce comunhão com Deus na adoração pública que lemos em seus Salmos antes de qualquer templo ser construído.

8. Deus declarou muitas vezes que os templos feitos com as mãos não eram o seu deleite, nem poderiam acrescentar nada à perfeição do seu descanso e alegria. Salomão, quando dedicou o templo, reconheceu que Deus não habita em templos feitos por mãos; ele não precisa deles, não é beneficiado por eles, não pode ficar confinado a eles. O mundo inteiro é o seu templo, no qual ele está presente em todos os lugares e o preenche com a sua glória; e que ocasião ele tem para um templo para se manifestar? Na verdade, as pretensas divindades dos pagãos precisavam de templos feitos por mãos, pois eram deuses feitos por mãos (v. 41), e não tinham outro lugar para se manifestar senão em seus próprios templos; mas o único Deus vivo e verdadeiro não precisa de templo, pois o céu é o seu trono, no qual ele repousa, e a terra é o escabelo de seus pés, sobre o qual ele governa (v. 49, 50), e portanto, que casa você poderá construir-me, comparável a isto que já tenho? Ou qual é o lugar do meu descanso? Que necessidade tenho eu de uma casa, seja para repousar ou para me mostrar? Não foi a minha mão que fez todas estas coisas? E estes mostram seu eterno poder e divindade (Rm 1.20); eles se mostram de tal maneira a toda a humanidade que aqueles que adoram outros deuses são indesculpáveis. E assim como o mundo é o templo de Deus, onde ele se manifesta, também é o templo de Deus no qual ele será adorado. Assim como a terra está cheia de sua glória e, portanto, é seu templo (Is 6.3), assim a terra está, ou estará, cheia de seu louvor (Hab 3.3), e todos os confins da terra o temerão (Hb 3.3). Sl 67. 7), e por esse motivo é o seu templo. Portanto, não houve nenhuma reflexão sobre este lugar santo, por mais que eles o interpretassem, dizer que Jesus deveria destruir este templo e estabelecer outro, no qual todas as nações deveriam ser admitidas, cap. 15. 16, 17. E não pareceria estranho para aqueles que consideraram aquela Escritura que Estevão aqui cita (Is 66.1-3), que, ao expressar o relativo desprezo de Deus pela parte externa de seu serviço, previu claramente a rejeição dos judeus incrédulos., e a acolhida dos gentios que tinham um espírito contrito na igreja.

Discurso de Estevão.

51 Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e de ouvidos, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim como fizeram vossos pais, também vós o fazeis.

52 Qual dos profetas vossos pais não perseguiram? Eles mataram os que anteriormente anunciavam a vinda do Justo, do qual vós agora vos tornastes traidores e assassinos,

53 vós que recebestes a lei por ministério de anjos e não a guardastes.

Estevão prosseguia em seu discurso (como deveria parecer pelo fio dele) para mostrar que, assim como o templo, o serviço do templo deve chegar ao fim, e seria a glória de ambos dar lugar à adoração do Pai em espírito e em verdade que deveria ser estabelecida no reino do Messias, despojada das cerimônias pomposas da antiga lei, e assim ele iria aplicar tudo isso que havia dito mais de perto ao seu propósito atual; mas ele percebeu que eles não aguentariam. Eles podiam ouvir pacientemente a história do Antigo Testamento contada (era um aprendizado no qual eles próprios se dedicavam muito); mas se Estevão pretender dizer-lhes que seu poder e tirania devem cair, e que a igreja deve ser governada por um espírito de santidade e amor, e por uma mentalidade celestial, eles nem sequer lhe darão ouvidos. É provável que ele tenha percebido isso e que iriam silenciá-lo; e, portanto, ele interrompe abruptamente no meio de seu discurso, e por aquele espírito de sabedoria, coragem e poder, com o qual estava cheio, ele repreendeu severamente seus perseguidores e expôs seu verdadeiro caráter; pois, se não admitirem o testemunho do evangelho para eles, este se tornará um testemunho contra eles.

I. Eles, como seus pais, eram teimosos e obstinados, e não seriam influenciados pelos vários métodos que Deus usou para recuperá-los e reformá-los; eles eram como seus pais, inflexíveis tanto para com a palavra de Deus quanto para com suas providências.

1. Eles eram obstinados (v. 51) e não submetiam a cerviz ao jugo doce e suave do governo de Deus, nem se submetiam a ele, mas eram como um novilho desacostumado ao jugo; ou eles não inclinariam a cabeça, não, nem ao próprio Deus, não lhe prestariam homenagem, não se humilhariam diante dele. A rigidez da cerviz é o mesmo que o coração duro, obstinado e contumaz, e que não cederá – o caráter geral da nação judaica, Êxodo 32:9; 33. 3, 5; 34. 9; Deuteronômio 9. 6, 13; 31. 27; Ezequiel 2. 4.

2. Eles eram incircuncisos de coração e ouvidos, seus corações e ouvidos não eram devotados e entregues a Deus, como o corpo do povo professava pelo sinal da circuncisão: "Em nome e aparência vocês são judeus circuncidados, mas de coração e ouvidos, vocês ainda são pagãos incircuncisos, e não prestam mais deferência à autoridade de seu Deus do que eles, Jeremias 9: 26. Vocês estão sob o poder de concupiscências e corrupções não mortificadas, que tapam seus ouvidos à voz de Deus e endurecem seus corações àquilo que é ao mesmo tempo mais dominante e mais comovente." Eles não tinham aquela circuncisão feita sem mãos, ao se despojarem do corpo dos pecados da carne, Col 2.11.

II. Eles, como seus pais, não apenas não foram influenciados pelos métodos que Deus adotou para reformá-los, mas também ficaram furiosos e indignados contra eles: Você sempre resiste ao Espírito Santo.

1. Eles resistiram ao Espírito Santo que lhes falava pelos profetas, aos quais se opuseram e contradisseram, odiaram e ridicularizaram; isso parece significar especialmente aqui, pela seguinte explicação: Qual dos profetas seus pais não perseguiram? Ao perseguirem e silenciarem aqueles que falaram pela inspiração do Espírito Santo, eles resistiram ao Espírito Santo. Seus pais resistiram ao Espírito Santo nos profetas que Deus levantou para eles, e o mesmo fizeram eles aos apóstolos e ministros de Cristo, que falaram pelo mesmo Espírito, e tinham maiores medidas de seus dons do que os profetas do Antigo Testamento, e ainda assim foram mais resistidos.

2. Eles resistiram ao Espírito Santo que lutava com eles por meio de suas próprias consciências e não obedeceram às suas convicções e ditames. O Espírito de Deus lutou com eles como fez com o velho mundo, mas em vão; eles resistiram a ele, participaram de suas corrupções contra suas convicções e se rebelaram contra a luz. Existe algo em nossos corações pecaminosos que sempre resiste ao Espírito Santo, uma carne que luta contra o Espírito e luta contra seus movimentos; mas nos corações dos eleitos de Deus, quando chega a plenitude dos tempos, essa resistência é vencida e dominada, e depois de uma luta o trono de Cristo é estabelecido na alma, e todo pensamento que se exaltou contra ela é levado ao cativeiro, 2 Cor 10. 4, 5. Aquela graça, portanto, que efetua essa mudança poderia ser mais apropriadamente chamada de graça vitoriosa do que irresistível.

III. Eles, como seus pais, perseguiram e mataram aqueles que Deus lhes enviou para chamá-los ao dever e fazer-lhes ofertas de misericórdia.

1. Seus pais foram os perseguidores cruéis e constantes dos profetas do Antigo Testamento (v. 51): Qual dos profetas vossos pais não perseguiram? Mais ou menos, uma vez ou outra, eles deram um golpe em todos eles. Mesmo no que diz respeito àqueles que viveram nos melhores reinados, quando os príncipes não os perseguiram, havia um partido maligno na nação que zombava deles e abusava deles, e a maioria deles foi finalmente, ou pela cor da lei ou fúria popular, condenada à morte; e o que agravou o pecado de perseguir os profetas foi que o negócio dos profetas pelos quais eles eram tão rancorosos era mostrar antes da vinda do Justo, dar aviso das boas intenções de Deus para com aquele povo, enviar o Messias entre eles na plenitude dos tempos. Aqueles que foram os mensageiros de tais boas novas deveriam ter sido cortejados e acariciados, e ter tido as preferências dos melhores benfeitores; mas, em vez disso, tiveram o tratamento do pior dos malfeitores.

2. Eles foram os traidores e assassinos do próprio Justo, como Pedro lhes dissera, cap. 3. 14, 15; 5. 30. Eles contrataram Judas para traí-lo e, de certa forma, forçaram Pilatos a condená-lo; e, portanto, é acusado de que foram seus traidores e assassinos. Assim, eles foram a semente genuína daqueles que mataram os profetas que predisseram sua vinda, o que, ao matá-lo, mostraram que teriam feito se tivessem vivido então; e assim, como nosso Salvador lhes dissera, eles trouxeram sobre si a culpa do sangue de todos os profetas. A qual dos profetas teriam mostrado algum respeito aqueles que não tinham consideração pelo próprio Filho de Deus?

IV. Eles, como seus pais, desprezavam a revelação divina e não seriam guiados e governados por ela; e este foi o agravamento do pecado deles, que Deus deu, como a seus pais a sua lei, e a eles o seu evangelho, em vão.

1. Seus pais receberam a lei e não a observaram. Deus escreveu-lhes as grandes coisas de sua lei, depois de tê-las falado pela primeira vez; e ainda assim foram consideradas por eles como algo estranho ou estrangeiro, com o qual não se preocupavam de forma alguma. Diz-se que a lei foi recebida pela disposição dos anjos, porque os anjos foram empregados na solenidade de dar a lei, nos trovões. e relâmpagos, e o som da trombeta. Diz-se que foi ordenada por anjos (Gl 3.19), diz-se que Deus veio com dez mil de seus santos para dar a lei (Dt 33.2), e foi uma palavra falada por anjos, Hb 2.2. Isso honrou tanto a lei quanto o Legislador, e deveria aumentar nossa veneração por ambos. Mas aqueles que assim receberam a lei ainda não a guardaram, mas ao fazerem o bezerro de ouro quebraram-na imediatamente em uma instância capital.

2. Eles receberam o evangelho agora, pela disposição, não de anjos, mas do Espírito Santo, - não com o som de uma trombeta, mas, o que era mais estranho, no dom de línguas, e ainda assim eles não abraçaram isto. Eles não cederam às demonstrações mais claras, assim como seus pais antes deles, pois estavam resolvidos a não obedecer a Deus, nem em sua lei nem em seu evangelho.

Temos motivos para pensar que Estevão tinha muito mais a dizer e o teria dito se eles o tivessem tolerado; mas eles eram homens maus e irracionais com quem ele tinha que lidar, que não podiam ouvir a razão mais do que podiam falar.

Martírio de Estevão; A Oração da Morte de Estevão.

54 Ouvindo eles isto, enfureciam-se no seu coração e rilhavam os dentes contra ele.

55 Mas Estevão, cheio do Espírito Santo, fitou os olhos no céu e viu a glória de Deus e Jesus, que estava à sua direita,

56 e disse: Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem, em pé à destra de Deus.

57 Eles, porém, clamando em alta voz, taparam os ouvidos e, unânimes, arremeteram contra ele.

58 E, lançando-o fora da cidade, o apedrejaram. As testemunhas deixaram suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo.

59 E apedrejavam Estevão, que invocava e dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito!

60 Então, ajoelhando-se, clamou em alta voz: Senhor, não lhes imputes este pecado! Com estas palavras, adormeceu.

Temos aqui a morte do primeiro mártir da igreja cristã, e há nesta história um exemplo vivo da indignação e da fúria dos perseguidores (tal como podemos esperar encontrar se formos chamados a sofrer por Cristo), e da coragem e conforto dos perseguidos, que são assim chamados. Aqui está o inferno em seu fogo e escuridão, e o céu em sua luz e brilho; e estes servem como contrastes para se destacarem. Não é dito aqui que os votos do conselho foram tomados em seu caso, e que pela maioria ele foi considerado culpado, e então condenado e ordenado a ser apedrejado até a morte, de acordo com a lei, como blasfemador; mas é provável que assim tenha sido, e que não foi pela violência do povo, sem ordem do conselho, que ele foi condenado à morte; pois aqui está a cerimônia usual de execuções regulares - ele foi expulso da cidade e as mãos das testemunhas foram as primeiras sobre ele.

Observemos aqui o maravilhoso desconforto dos espíritos de seus inimigos e perseguidores, e a maravilhosa compostura de seu espírito.

I. Veja a força da corrupção nos perseguidores de Estevão - malícia em perfeição, o próprio inferno se liberta, os homens se tornam demônios encarnados e a semente da serpente cuspindo seu veneno.

1. Quando ouviram estas coisas, ficaram com o coração partido (v. 54), dieprionto, a mesma palavra usada em Hebreus 11.37, e traduzidos foram serrados em pedaços. Eles foram submetidos a tantas torturas em suas mentes quanto os mártires foram submetidos em seus corpos. Eles ficaram cheios de indignação com os argumentos irrespondíveis que Estevão apresentou para sua condenação, e não conseguiram encontrar nada a dizer contra eles. Eles não ficaram com o coração ferido de tristeza, como no cap. 2.37, mas cortados no coração com raiva e fúria, como eles próprios estavam, cap. 5. 33. Estevão os repreendeu severamente, como Paulo expressa (Tt 1.13), apotomos – de forma cortante, pois eles ficaram com o coração partido pela repreensão. Observe que os que rejeitam o evangelho e os que se opõem a ele são, na verdade, seus algozes. A inimizade com Deus é uma coisa que corta o coração; fé e amor curam o coração. Quando ouviram como aquele que parecia um anjo antes de começar seu discurso falava como um anjo, como um mensageiro do céu, antes de concluí-lo, eles eram como um touro selvagem na rede, cheios da fúria do Senhor, (Is 51. 20), desesperado para destruir uma causa tão corajosamente defendida, e ainda assim resolvido não ceder a ela.

2. Eles rangeram os dentes contra ele. Isto denota:

(1.) Grande malícia e raiva contra ele. Jó reclamou de seu inimigo que ele rangeu os dentes contra ele, Jó 16. 9. A linguagem disso foi: Oh, se tivéssemos de sua carne para comer! Jó 31. 31. Eles sorriram para ele, como cães para aqueles com quem estão furiosos; e, portanto, Paulo, advertindo contra os da circuncisão, diz: Cuidado com os cães, Fp 3. 2. A inimizade contra os santos transforma os homens em feras brutais.

(2.) Grande irritação dentro de si; eles se preocuparam em ver nele tais sinais manifestos de poder e presença divinos, e isso os irritou profundamente. Os ímpios verão isso e ficarão entristecidos, rangerão os dentes e derreterão, Sl 112.10. Ranger os dentes costuma ser usado para expressar o horror e os tormentos dos condenados. Aqueles que têm a malícia do inferno não podem deixar de trazer consigo algumas das dores do inferno.

3. Eles clamaram em alta voz (v. 57), para irritar e excitar uns aos outros, e para abafar o barulho dos clamores de suas próprias consciências e dos outros; quando ele disse: Vejo o céu aberto, clamaram em alta voz, para que não se ouvisse falar. Observe que é muito comum que uma causa justa, particularmente a causa justa da religião de Cristo, seja tentada a ser atropelada por barulho e clamor; o que falta na razão é compensado pelo tumulto e pelo clamor daquele que governa entre os tolos, enquanto as palavras dos sábios são ouvidas em silêncio. Eles gritaram em voz alta, como soldados quando vão entrar em batalha, reunindo todo o seu espírito e vigor para este encontro desesperado.

4. Taparam os ouvidos para não ouvirem o seu próprio barulho; ou talvez sob o pretexto de que não suportariam ouvir suas blasfêmias. Assim como Caifás rasgou suas vestes quando Cristo disse: Daqui em diante vereis o Filho do homem vindo em glória (Mateus 26:64, 65), também aqui estes taparam os ouvidos quando Estevão disse: Agora vejo o Filho do homem em pé em glória, ambos fingindo que o que foi falado não era para ser ouvido com paciência. Tapar os ouvidos era:

(1.) Um exemplo manifesto de sua obstinação inveterada; eles estavam decididos a não ouvir o que tinha tendência a convencê-los, que era o que os profetas muitas vezes se queixavam: eles eram como a víbora surda, que não ouve a voz do encantador, Sl 58.4,5.

(2.) Foi um presságio fatal daquela dureza judicial à qual Deus os entregaria. Eles taparam os ouvidos, e então Deus, numa forma de julgamento justo, os parou. Esta era a obra que agora estava sendo feita com os judeus incrédulos: engordar o coração deste povo e pesar-lhes os ouvidos; assim foi respondido o caráter de Estevão deles: Incircuncisos de coração e ouvidos.

5. Eles correram contra ele de comum acordo - o povo e os anciãos do povo, juízes, promotores, testemunhas e espectadores, todos eles voaram sobre ele, como animais sobre suas presas. Veja como eles eram violentos e com que pressa - eles correram sobre ele, embora não houvesse perigo de ele ultrapassá-los; e veja como eles eram unânimes nessa coisa maligna - eles o atacaram de comum acordo, todos, esperando com isso aterrorizá-lo e colocá-lo em confusão, invejando-lhe sua compostura e conforto na alma, com os quais ele se divertiu maravilhosamente no meio dessa pressa; eles fizeram tudo o que puderam para irritá-lo.

6. Expulsaram-no da cidade e apedrejaram-no, como se não fosse digno de viver em Jerusalém; não, nem é digno de viver neste mundo, pretendendo aqui executar a lei de Moisés (Levítico 24:16). Aquele que blasfemar o nome do Senhor certamente será morto, toda a congregação certamente o apedrejará. E assim eles mataram Cristo, quando este mesmo tribunal o considerou culpado de blasfêmia, mas que, para sua maior ignomínia, eles desejavam que ele fosse crucificado, e Deus anulou isso para o cumprimento das Escrituras. A fúria com que administraram a execução é demonstrada nisto: expulsaram-no da cidade, como se não suportassem vê-lo; eles o trataram como um anátema, como a escória de todas as coisas. As testemunhas contra ele foram os líderes da execução, de acordo com a lei (Dt 17.7). As mãos das testemunhas serão as primeiras sobre ele, para condená-lo à morte, e particularmente no caso de blasfêmia, Levítico 24.14; Deuteronômio 13. 9. Assim, eles deveriam confirmar seu testemunho. Ora, sendo o apedrejamento de um homem um trabalho trabalhoso, as testemunhas tiraram suas vestes, para que não ficassem penduradas em seu caminho, e as depositaram aos pés de um jovem, cujo nome era Saulo, agora um homem espectador satisfeito desta tragédia. É a primeira vez que encontramos menção ao seu nome; conheceremos e amaremos melhor quando descobrirmos que ele mudou para Paulo, e ele mudou de perseguidor para pregador. Este pequeno exemplo de sua atuação na morte de Estevão, ele posteriormente refletiu com pesar (cap. 22. 20): Guardei as vestes daqueles que o mataram.

II. Veja a força da graça em Estevão e os exemplos maravilhosos do favor de Deus para com ele e trabalhando nele. Assim como seus perseguidores estavam cheios de Satanás, ele também estava cheio do Espírito Santo, mais cheio do que o normal, ungido com óleo novo, para que, como o dia, assim fosse a força. Por esse motivo são bem-aventurados aqueles que são perseguidos por causa da justiça, porque o Espírito de Deus e da glória repousa sobre eles, 1 Pedro 4. 14. Quando foi escolhido para o serviço público, foi descrito como um homem cheio do Espírito Santo (cap. 65), e agora que é chamado ao martírio, ele ainda tem o mesmo caráter. Observe que aqueles que estão cheios do Espírito Santo estão aptos para qualquer coisa, seja para agir por Cristo ou para sofrer por ele. E aqueles a quem Deus chama para serviços difíceis em seu nome, ele se qualificará para esses serviços e os realizará confortavelmente, enchendo-os com o Espírito Santo, para que, à medida que abundam suas aflições por Cristo, seu consolo nele possa ainda mais abundar, e então nenhuma dessas coisas os move. Agora aqui temos uma comunhão notável entre este abençoado mártir e o abençoado Jesus neste momento crítico. Quando os seguidores de Cristo são mortos o dia todo por causa dele e considerados como ovelhas para o matadouro, isso os separa do amor de Cristo? Ele os ama menos? Eles o amam menos? Não, de forma alguma; e assim aparece nesta narrativa, na qual podemos observar.

1. A graciosa manifestação de Cristo a Estevão, tanto para seu conforto quanto para sua honra, em meio a seus sofrimentos. Quando eles ficaram com o coração partido e rangeram os dentes sobre ele, prontos para comê-lo, então ele teve uma visão da glória de Cristo suficiente para enchê-lo de alegria indescritível, que se destinava não apenas ao seu encorajamento, mas pelo apoio e conforto de todos os servos sofredores de Deus em todas as épocas.

(1.) Ele, cheio do Espírito Santo, olhou firmemente para o céu.

[1.] Assim, ele olhou acima do poder e da fúria de seus perseguidores, e, por assim dizer, os desprezou e riu deles com desprezo, como a filha de Sião, Isaías 37:22. Eles tinham os olhos fixos nele, cheios de malícia e crueldade; mas ele olhou para o céu e nunca se importou com eles, estava tão absorto com a vida eterna agora em perspectiva que parecia não ter nenhum tipo de preocupação com a vida natural agora em seu estado. Em vez de olhar ao redor, para ver de que maneira ele estava em perigo ou de que maneira poderia escapar, ele olha para o céu; de lá somente vem sua ajuda, e para lá seu caminho ainda está aberto; embora o cerquem por todos os lados, não podem interromper sua relação com o céu. Observe que uma consideração crente por Deus e pelo mundo superior será de grande utilidade para nós, para nos colocar acima do medo do homem; pois enquanto estamos sob a influência desse medo, esquecemos o Senhor, nosso Criador, Is 51.13.

[2.] Assim, ele dirigiu seus sofrimentos para a glória de Deus, para a honra de Cristo, e fez como se apelasse ao céu a respeito deles (Senhor, por tua causa eu sofro isso) e expressou sua sincera expectativa de que Cristo deveria ser exaltado em seu corpo. Agora que estava pronto para ser oferecido, ele olha firmemente para o céu, como alguém disposto a oferecer-se.

[3.] Assim, ele elevou sua alma com os olhos para Deus nos céus, em piedosas orações, clamando a Deus por sabedoria e graça para conduzi-lo através desta provação da maneira correta. Deus prometeu que estará com os seus servos, a quem chama a sofrer por ele; mas ele será procurado para isso. Ele está perto deles, mas é naquilo que eles o invocam. Alguém está aflito? Deixe-o orar.

[4.] Assim ele respirou pelo país celestial, para o qual ele viu que a fúria de seus perseguidores o enviaria em breve. É bom que os santos moribundos olhem firmemente para o céu: “Ali está o lugar para onde a morte levará a minha melhor parte, e então, ó morte ! estava cheio do Espírito Santo; pois, onde quer que o Espírito da graça habite, opere e reine, ele direciona os olhos da alma para cima. Aqueles que estão cheios do Espírito Santo olharão firmemente para o céu, pois lá está o seu coração.

[6.] Assim, ele se colocou em posição de receber a seguinte manifestação da glória e graça divina. Se esperamos ouvir do céu, devemos olhar firmemente para o céu.

(2.) Ele viu a glória de Deus (v. 55); pois ele viu que, para isso, os céus se abriram. Alguns pensam que seus olhos foram fortalecidos, e a visão dele tão elevada acima de seu tom natural, por um poder sobrenatural, que ele viu o terceiro céu, embora a uma distância tão vasta, como a visão de Moisés foi ampliada para ver toda a terra de Canaã. Outros pensam que foi uma representação da glória de Deus colocada diante de seus olhos, como antes, Isaías e Ezequiel; o céu fez como se descesse até ele, como Apocalipse 21. 2. Os céus foram abertos, para lhe dar uma visão da felicidade a que estava indo, para que ele pudesse, em perspectiva disso, passar alegremente pela morte, uma morte tão grande. Se olhássemos para cima com firmeza, pela fé, poderíamos ver os céus abertos pela mediação de Cristo, o véu sendo rasgado e um novo e vivo caminho aberto para nós no Santo dos Santos. O céu está aberto para o estabelecimento de uma correspondência entre Deus e os homens, para que seus favores e bênçãos possam descer até nós, e nossas orações e louvores possam subir até ele. Podemos também ver a glória de Deus, na medida em que ele a revelou em sua palavra, e a visão disso nos levará através de todos os terrores do sofrimento e da morte.

(3.) Ele viu Jesus em pé à direita de Deus (v. 55), o Filho do homem, assim é o v. 56. Jesus, sendo o Filho do homem, tendo levado nossa natureza consigo para o céu, e estando lá vestido com um corpo, poderia ser visto com olhos corporais, e assim Estevão o viu. Quando os profetas do Antigo Testamento viram a glória de Deus, foram acompanhados por anjos. A Shequiná ou presença divina na visão de Isaías foi acompanhada por serafins, na visão de Ezequiel por querubins, ambos significando os anjos, os ministros da providência de Deus. Mas aqui nenhuma menção é feita aos anjos, embora eles cerquem o trono e o Cordeiro; em vez deles, Estevão vê Jesus à direita de Deus, o grande Mediador da graça de Deus, de quem mais glória reverte para Deus do que de todo o ministério dos santos anjos. A glória de Deus brilha mais intensamente na face de Jesus Cristo; pois ali brilha a glória de sua graça, que é o exemplo mais ilustre de sua glória. Deus parece mais glorioso com Jesus à sua direita do que com milhões de anjos ao seu redor. Agora,

[1.] Aqui está uma prova da exaltação de Cristo à direita do Pai; os apóstolos o viram subir, mas não o viram sentar-se. Uma nuvem o recebeu, ocultando-o da vista deles. Dizem-nos que ele se sentou à direita de Deus; mas ele já foi visto lá? Sim, Estevão o viu ali e ficou bastante satisfeito com a visão. Ele viu Jesus à direita de Deus, denotando tanto a sua dignidade transcendente como o seu domínio soberano, a sua capacidade incontrolável e a sua agência universal; tudo o que a destra de Deus nos dá, ou recebe de nós, ou faz a nosso respeito, é por ele; pois ele é sua mão direita.

[2.] Costuma-se dizer que ele fica sentado lá; mas Estevão o vê ali parado, como alguém mais preocupado do que normalmente no momento com seu servo sofredor; ele se levantou como juiz para defender sua causa contra seus perseguidores; ele é levantado da sua santa habitação (Zc 2.13), sai do seu lugar para punir, Is 26.21. Ele está pronto para recebê-lo e coroá-lo e, nesse meio tempo, dar-lhe uma perspectiva da alegria que lhe está proposta.

[3.] Isto foi planejado para encorajar Estevão. Ele vê que Cristo é por ele, e então não importa quem esteja contra ele. Quando nosso Senhor Jesus estava em agonia, um anjo lhe apareceu, fortalecendo-o; mas Estevão fez com que o próprio Cristo aparecesse para ele. Observe que nada é tão confortável para os santos moribundos, nem tão animador para os santos sofredores, como ver Jesus à direita de Deus; e, bendito seja Deus, pela fé podemos vê-lo ali.

(4.) Ele contou aos que estavam ao seu redor o que viu (v. 56): Eis que vejo os céus abertos. Aquilo que foi cordial para ele deveria ter sido uma convicção para eles, e uma advertência para que tomassem cuidado ao proceder contra alguém para quem o céu assim sorria; e, portanto, o que ele viu, ele declarou: deixe-os fazer o uso que quiserem. Se alguns ficassem exasperados com isso, outros talvez pudessem ser levados a considerar este Jesus a quem perseguiram e a acreditar nele.

2. Os discursos piedosos de Estevão a Jesus Cristo. A manifestação da glória de Deus para ele não o colocou acima da oração, mas antes o levou a fazê-lo: Apedrejaram Estevão, invocando a Deus, v. 59. Embora ele invocasse a Deus, e por isso se mostrasse um verdadeiro israelita, ainda assim eles passaram a apedrejá-lo, sem considerar quão perigoso é lutar contra aqueles que têm interesse no céu. Embora o apedrejassem, ele invocou a Deus; não, por isso ele o invocou. Observe que é um consolo para aqueles que são injustamente odiados e perseguidos pelos homens que eles tenham um Deus a quem recorrer, um Deus todo-suficiente ao qual invocar. Os homens tapam os ouvidos, como fizeram aqui (v. 57), mas Deus não. Estevão foi agora expulso da cidade, mas não foi expulso de seu Deus. Ele agora estava se despedindo do mundo e, portanto, clama a Deus; pois devemos fazer isso enquanto vivermos. Observe que é bom morrer orando; então precisamos de ajuda — força que nunca tivemos, para realizar um trabalho que nunca fizemos — e como podemos obter essa ajuda e força senão pela oração? Duas breves orações que Estevão ofereceu a Deus em seus últimos momentos, e nelas, por assim dizer, expirou sua alma:

(1.) Aqui está uma oração para si mesmo: Senhor Jesus, receba meu espírito. Assim, o próprio Cristo entregou seu espírito imediatamente nas mãos do Pai. Somos aqui ensinados a entregar os nossos nas mãos de Cristo como Mediador, por ele para sermos recomendados ao Pai. Estevão viu Jesus parado à direita do Pai, e assim o chama: "Bem-aventurado Jesus, faça por mim agora o que você está aí para fazer por todos os seus, receba meu espírito que parte em suas mãos." Observe,

[1.] A alma é o homem, e nossa grande preocupação, vivendo e morrendo, deve ser com nossas almas. O corpo de Estevão seria miseravelmente quebrado e despedaçado, e esmagado por uma chuva de pedras, a casa terrena deste tabernáculo violentamente derrubada e abusada; mas, seja como for, “Senhor”, disse ele, “deixe meu espírito estar seguro; deixe tudo ir bem com minha pobre alma”. Assim, enquanto vivermos, nosso cuidado deve ser que, embora o corpo esteja faminto ou despojado, a alma possa ser alimentada e vestida, embora o corpo sofra dor, a alma possa viver em paz; e, quando morrermos, embora o corpo seja jogado fora como um vaso desprezado e quebrado, e um vaso no qual não há prazer, ainda assim a alma possa ser apresentada como um vaso de honra, para que Deus seja a força do coração e sua porção, ainda que a carne falhe.

[2.] Nosso Senhor Jesus é Deus, a quem devemos buscar e em quem devemos confiar e nos consolar vivendo e morrendo. Estevão aqui ora a Cristo, e nós também devemos; pois é a vontade de Deus que todos os homens honrem assim o Filho, assim como honram o Pai. É com Cristo que devemos nos comprometer, o único que é capaz de cumprir o que lhe entregamos naquele dia; é necessário que estejamos de olho em Cristo quando morrermos, pois não há aventura em outro mundo sem sua conduta, não há conforto de vida nos momentos de morte, senão o que é buscado dele.

[3.] Cristo receber nossos espíritos na morte é a grande coisa com a qual devemos ter cuidado e com a qual nos confortar. Devemos cuidar disso enquanto vivermos, para que Cristo possa receber nossos espíritos quando morrermos; pois, se ele os rejeitar e repudiar, para onde eles irão? Como eles podem escapar de serem presas do leão que ruge? A ele, portanto, devemos entregá-los diariamente, para serem governados e santificados, e tornados adequados para o céu, e então, e não de outra forma, ele os receberá. E, se este tem sido nosso cuidado enquanto vivemos, pode ser nosso conforto quando morrermos, que seremos recebidos em habitações eternas.

(2.) Aqui está uma oração pelos seus perseguidores.

[1.] As circunstâncias desta oração são observáveis; pois parece ter sido oferecida com algo mais solene do que o anterior.

Primeiro, ele se ajoelhou, o que foi uma expressão de sua humildade na oração.

Em segundo lugar, ele clamou em alta voz, o que era uma expressão de sua importunação. Mas por que ele deveria mostrar mais humildade e importunação neste pedido do que no primeiro? Ora, ninguém poderia duvidar de que ele estava sendo sincero em suas orações por si mesmo e, portanto, ali ele não precisava usar tais expressões externas disso; mas em sua oração por seus inimigos, porque isso vai contra a natureza da natureza corrupta, era necessário que ele desse provas de que estava sendo sincero.

[2.] A própria oração: Senhor, não lhes atribua este pecado. Nisto ele seguiu o exemplo de seu Mestre moribundo, que orou assim por seus perseguidores: Pai, perdoe-os; e deu o exemplo a todos os que sofrem na causa de Cristo, para orarem por aqueles que os perseguem. A oração pode pregar. Isso aconteceu com aqueles que apedrejaram Estevão, e ele se ajoelhou para que eles percebessem que ele iria orar, e clamou em alta voz para que eles percebessem o que ele disse e pudessem aprender, primeiro, que o que eles fizeram foi um pecado, um grande pecado, que, se a misericórdia e a graça divinas não impedissem, seria imputado a eles, para sua confusão eterna.

Em segundo lugar, que, apesar de sua malícia e fúria contra ele, ele tinha caridade com eles, e estava tão longe de desejar que Deus vingasse sua morte sobre eles, que foi sua oração sincera a Deus para que isso não fosse de forma alguma colocado a seu cargo. Seria um triste acerto de contas. Se eles não se arrependessem, certamente seriam responsabilizados; mas ele, por sua vez, não desejava aquele dia lamentável. Deixe-os tomarem conhecimento disso e, quando seus pensamentos estivessem calmos, certamente não se perdoariam facilmente por ter matado aquele que poderia tão facilmente perdoá-los. Os sanguinários odeiam os retos, mas os justos buscam a sua alma, Provérbios 29. 10.

Em terceiro lugar, que, embora o pecado tenha sido muito hediondo, eles não devem se desesperar com o perdão dele após o seu arrependimento. Se eles colocassem isso em seus corações, Deus não colocaria isso sob sua responsabilidade. "Você acha", disse Agostinho, "que Paulo ouviu Estevão fazer esta oração? É provável que ele tenha feito isso e ridicularizado então (audivit subsannans, sed irrisit - ele ouviu com desprezo), mas depois ele teve o benefício disso, e se saiu melhor com isso."

3. Sua expiração com isto: Depois de dizer isso, ele adormeceu; ou, enquanto ele dizia isso, veio o golpe que foi mortal. Observe que a morte é apenas um sono para pessoas boas; não o sono da alma (Estevão entregou-a nas mãos de Cristo), mas o sono do corpo; é o descanso de todas as suas dores e labutas; é um alívio perfeito do trabalho e da dor. Estevão morreu tão apressado como qualquer outro homem e, ainda assim, quando morreu, adormeceu. Ele se dedicou ao trabalho de sua morte com tanta compostura como se estivesse indo dormir; foi apenas fechar os olhos e morrer. Observe, Ele adormeceu enquanto orava por seus perseguidores; é expresso como se ele pensasse que não poderia morrer em paz até que fizesse isso. Contribui muito para morrermos confortavelmente morrer na caridade com todos os homens; somos então encontrados por Cristo em paz; não deixe o sol da vida se pôr sobre a nossa ira. Ele adormeceu; o latim vulgar acrescenta, no Senhor, nos abraços do seu amor. Se ele dormir assim, ficará bem; ele acordará novamente na manhã da ressurreição.

 

 

 

 

 

ão.

Matthew Henry
Enviado por Silvio Dutra Alves em 21/05/2024
Alterado em 01/06/2024
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras